α-Centauri C

Figura 01: Concepção artística das cinturas de poeira em torno da estrela α Centauri C.
Figura 02: Localização da Proxima Centauri. Crédito: Planetário Digital NEPA.

Recentemente foi anunciada por uma equipa internacional de astrónomos a existência de poeira  ao redor de alpha Centauri C, também conhecida pela alcunha Proxima Centauri.  Distante 4,23 anos-luz do Sol,  Proxima Centauri é a estrela mais próxima do Sol. O detalhe não está somente na presença de poeira; além disso, constatou-se  a presença de duas cinturas de poeira – uma interna e outra externa.

Conforme mostrado na figura 01, a cintura interna é uma região mais quente ao passo que  a externa contem poeira fria.  Com esses dados,  o mínimo que podemos esperar é a deteção de um sistema planetário. E caso isso realmente se concretize, significa dizer que o sistema planetário mais próximo da Terra encontra-se apenas a 4 anos-luz daqui. Quantos planetas  encontram-se  ao redor de  Alpha Centauro C? A resposta ainda está em aberto. Entretanto, há quem sugira uma analogia entre as cinturas de poeira de Proxima Centauri  e  as cinturas  de asteroides e de Kuiper (do Sistema Solar). Para validar esta tese,  um bom começo passa a ser a confirmação de que  os principais componentes das cinturas interna e externa de Proxima Centauri são partículas de rocha e gelo, que por algum motivo, não conseguiram formar planetas.

O NEPA analisou  os dados  apresentados  e esperamos  encontrar ao menos um planeta tipo-Júpiter.  Proxima Centauri é uma anã vermelha situada na constelação de Centauro (vide figura 02). Em 2016, já sabíamos  da existência de um planeta tipo-Terra, denominado Proxima b, a orbitar a estrela Proxima Centauri. Mas o que mudou? A resposta é óbvia: o sistema planetário de Proxima Centauri é mais complexo do que esperávamos.  Os astrónomos  que estão à frente desta investigação usaram o telescópio ALMA  e notaram uma persistente  radiação oriunda das nuvens de poeira, na cintura externa.

Dr. Anglada, o autor principal desta investigação, explicou a importância desta descoberta da seguinte maneira:

A poeira que rodeia Proxima Centauri é importante porque, no seguimento da descoberta do planeta terrestre Proxima b, trata-se da primeira indicação da presença de um sistema planetário elaborado, e não apenas de um único planeta, em torno da estrela mais próxima do nosso Sol.

Figura 03: Em azul, a estrela dupla Alpha Centauri AB e, no canto direito inferior da imagem, Proxima Centauri.

Na figura 03, temos o registo  da dupla alpha Centauri AB, em azul, no canto superior esquerdo da imagem.  E logo no canto inferior direito, um tênue brilho vermelho evidencia a presença de Proxima Centauri. Para clarear, ainda não sabemos se as duas outras estrelas  Alpha Centauri AB possuem  cinturas de poeira.  Por ora,  somente  Proxima Centauri apresentou   tais cinturas.  Mas afinal, o que são cinturas  de poeira?  Tratam-se  de restos de  materiais, os quais foram incapazes de formar   planetas ou qualquer outro corpo com tamanho significativo. Em sua maioria, as cinturas de poeira  são  formadas por  partículas de rocha e gelo, tendo vários tamanhos – da ordem de milímetros até  a ordem de alguns  quilómetros de diâmetro.

Os astrónomos estimaram que  a poeira, ao redor  de Proxima Centauri, tem um raio  da ordem de  algumas centenas de quilómetros a  partir da estrela. Entretanto, a massa total de poeira equivaleria a  um centésimo da massa da Terra. Quanto à temperatura,  a cintura externa  apresenta-se a 230°C – em comparação  com a  cintura de Kuiper, é tão fria quanto. Mas as comparações terminam por aí, afinal,  há indícios de uma outra cintura, mais fria e tênue, localizada  aproximadamente   10 vezes mais longe que a segunda  cintura de poeira. Neste quesito,  não está claro para nós  a natureza desta cintura, afinal,  o meio é muito frio e Proxima Centauri é mais fria  e amena  que nosso Sol. Por isso, a equipa está a investigar com mais critérios. Se  de facto for confirmada uma terceira  cintura  de poeira,  a pergunta imediata é: será que o Sistema Solar também teria uma terceira cintura de poeira?  Se a resposta for afirmativa, então, poderemos  afirmar que o Sistema Solar é maior do que imaginávamos. Uma cousa é certa,  as cinturas  estão  bem mais distantes de Proxima Centauri do que o exoplaneta Proxima b, o qual  possui um raio orbital da ordem de 4 milhões de km.

Figura 04: Observatório de La Silla, Chile. Na parte inferior à direita temos Proxima Centauri e à esquerda a dupla Alpha Centauri AB.

Na figura 04, temos o observatório de La Silla, Chile, e em destaque seu telescópio de 3,6m – equipamento  monitorado pela equipa do ESO. Na parte inferior da figura 04  aparecem, respectivamente,  a  dupla estelar Alpha Centauri AB  (à esquerda) e Proxima Centauri (à direita). Vale sublinhar que as imagens  das estrelas  que aparecem em evidência na figura 04 foram captadas  pelo Telescópio Espacial Hubble (da NASA/ESA). O exoplaneta Proxima b foi descoberto com a ajuda do equipamento  HARPS o qual está montado no telescópio de 3,6m do ESO.

Na prática,  nós usamos a forma  da cintura exterior  para  encontrar  a inclinação do sistema planetário e, em seguida,  calculamos a massa  aproximada do exoplaneta. No caso de Proxima Centauri, conhecemos até o momento, o limite inferior  da massa do exoplaneta Proxima b.

Segundo os autores desta investigação, os resultados deste estudo  sugerem  que Proxima Centauri  possivelmente tenha  um sistema planetário múltiplo e, se assim for,  será algo nada trivial para se explicar.  Ou seja,  as interacções  entre  seus planetas  seria algo fantástico de se acompanhar  e  certamente  o comportamento das mesmas  tenha influenciado directamente  na formação de cada cintura de poeira. Resta-nos, agora, localizar cada um dos  exoplanetas.

Vale salientar ainda que  há planeamentos  para futuras explorações do sistema planetário de Proxima Centauri. Denominado Starshot, este projecto tem como objectivo o envio de  micro-sondas  ligadas  a velas impulsionadas a laser. Antes disso,  precisamos  de mais informações  sobre a poeira que forma  as cinturas de Proxima Centauri.  Tal procedimento é fundamental para desvendarmos  perguntas  a respeito do Sistema Solar. Uma dessas perguntas  seria: como a Terra se formou? Parece que a resposta está ao nosso alcance.

Dr. Nélio Sasaki – Doutor em Astrofísica, Coordenador do NEPA, Líder do NEPA/UEA/CNPq, membro da União Astronómica Internacional (UAI), Sociedade Brasileira de Astronomia (SAB), Associação de Planetários da América do Sul (APAS), Associação Brasileira de Planetários (ABP), Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Sociedade Brasileira de Física (SBF) e do Grupo de Astronomia para o Desenvolvimento (PLOAD), revisor das revistas IODA e Areté e revisor ad hoc do PCE/FAPEAM, Director dos Planetários  de Manaus e Parintins, Professor Adjunto da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

 

 

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here