-Publi-A-

A Páscoa e a Astronomia

Figura 01: Páscoa, a ressurreição do Cordeiro de Deus.

A Páscoa é uma data linda. Porém, a decisão de quando comemorá-la nem sempre foi algo trivial.

 Antigamente, o calendário não tinha sentido sem o componente divino. Por exemplo, para os Judeus (יהודי) a Páscoa (do hebraico: פֶּסַח) é uma comemoração que revive o que fora relatado no livro do Êxodo (שמות) escrito aproximadamente 1.250 a.C.* [*essa data não é um consenso entre os estudiosos, de qualquer forma, não há documentos que forneçam com precisão a data correcta.]

Na prática, vale o que está escrito no livro de Levítico (ויקרא) (23:5)

5No mês primeiro, aos catorze do mês, pela tarde, é a páscoa do Senhor.”  (Levítico 23:5)

Êxodo (12:17, 18) também afirma que

17Guardai pois a festa dos pães ázimos, porque naquele mesmo dia tirei vossos         exércitos   da terra   do Egito;   pelo que  guardareis a este dia nas vossas gerações por estatuto perpétuo.
18No primeiro mês, aos catorze dias do mês, à tarde, comereis pães ázimos até vinte e um do mês à tarde.”  
(Êxodo 12:17,18)

No calendário judaico, o primeiro mês é denominado Nissan (do hebraico: ניסן)  e significa “primeiros frutos”, referência à época  na qual a cevada madura em Israel. O detalhe é que o primeiro dia do mês tem obrigatoriamente que ter Lua Nova (polêmica na astronomia!!). E segundo o calendário judaico, esse dia é exactamente 09 de abril de 2016. Somente após 14 dias seguidos é que chegaremos à Páscoa!

Calma, se formos seguir o relato de Levítico (23;5), que diga-se de passagem acredita-se ter sido escrito entre 1.440 a.C.-1.400 a.C., a Páscoa durava um dia. Entretanto, se seguirmos Êxodo (12:17,18), a Páscoa passa a se estender um bocadinho mais. Uma cousa é certa, a Páscoa judaica começa dia 22 de abril de 2016 (Quinta-feira).

Uma vez que a Lua Nova determinava o início do mês de Nissan, consequentemente, a Páscoa poderia ocorrer em qualquer dia da semana (de segunda-feira a domingo) – isso levou-nos a outra polêmica, agora, de ordem religiosa. Afinal, qual era o dia para se celebrar a ressurreição de Jesus Cristo?

As igrejas da Ásia seguiam o calendário judaico, porém, as igrejas do Ocidente não abriram mão em realizar o festejo no domingo.

Em 325 d. C., o Concílio de Nicéia fixou a celebração no domingo, não deixando claro qual domingo seria. Para resolver o impasse, foram acionados os bispos de Alexandria (especialistas em Astronomia). Em princípio, tudo ficou resolvido,  até que a Igreja Católica adoptou o calendário gregoriano (a altura de 1582). Naquela época houve um descontentamento por parte da ala Ortodoxa da igreja e, por isso, até hoje,  cada um  continua a comemorar a Páscoa  em datas diferentes.

No calendário gregoriano, a Páscoa se dá se tal maneira que sempre está a cair em domingo de Lua Cheia [(a hóstia-viva) a recordar a aliança que fora reestabelecida com a humanidade].

Independentemente da data que você comemore, o importante é termos a ciência de que não comemoramos mais a libertação de um povo escolhido por Deus, e sim, a Ressureição de Cristo (o Deus-Filho que se fez homem e habitou entre nós.).

Desejamos a você leitor, à sua família uma excelente Páscoa, repleta de alegria, afinal, a boa-nova aconteceu: Cristo venceu a morte, pagou o preço pelos pecados da humanidade, deu-nos uma família: a Sagrada Família e nos deu um lar: a Nova Jerusalém.

Dr. Nélio Sasaki – Doutor em Astrofísica, Líder do NEPA, Membro da SAB, Membro da ABP, Membro da SBPC, Membro da SBF, membro da AIU, membro da PLOAD, Revisor da Revista Areté, Revisor da Revista Eletrônica IODA, Revisor ad hoc do PCE/FAPEAM, Coordenador do Planetário Digital de Parintins, Coordenador do Planetário Digital de Manaus, Professor Adjunto da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

você pode gostar também