Acesso ao rio Andirá tem barreira epidemiológica da UBS Fluvial de Barreirinha contra Covid-19 

O prefeito de Barreirinha, Glenio Seixas, orientou a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e a Fundação Vigilância em Saúde (FVS) a montar a barreira, na entrada do Rio Andirá, no domingo (12).

Barreirinha (AM) – A Unidade Básica de Saúde Fluvial (UBSF) de Barreirinha vai proteger a população das comunidades rurais do Rio Andirá, contra embarcações clandestinas oriundas de Parintins e outras localidades. A embarcação ficará ancorada, no Paraná do Ramos, próximo ao Distrito da Barreira do Andirá, para combater a entrada do coronavírus na área.


O prefeito de Barreirinha, Glenio Seixas, orientou a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e a Fundação Vigilância em Saúde (FVS) a montar a barreira, na entrada do Rio Andirá, no domingo (12). A UBS Fluvial de Barreirinha conta com profissionais de saúde, com apoio da Polícia Militar e Guarda Civil, para prevenção à Covid-19.

Profissionais de saúde e segurança pública atuam no combate ao coronavírus, na Barreira do Andirá.

Passageiros e donos de embarcações serão orientados, com o objetivo de manter o isolamento social. “Com várias denúncias sobre o grande fluxo de embarcações, passamos a adotar medidas restritivas. Bloqueamos o tráfego para reduzir esse fluxo e frear a propagação do vírus”, explica o secretário de saúde, Péricles Tavares.

Conforme o coordenador da Vigilância em Saúde, Leopoldo Tavares, a barreira é uma estratégia do Comitê de Enfrentamento de Crise. “Antes, entravam muitos barcos regatões, sem passar por nenhum controle. Com essa barreira, vamos fazer a triagem, antes de autorizar ou não a entrada das embarcações no Rio Andirá”, afirma.

você pode gostar também