Aglomeração na Caixa é freada pela Defensoria Pública e Vigilância Sanitária 

A atuação conjunta ocorreu após o recebimento de denúncias por parte da população sobre a aglomeração de clientes, em busca do saque do Auxílio Emergencial.

Centenas de cidadãos buscam o saque do Auxílio Emergencial, na Caixa Econômica Federal, e aumentam os riscos de contaminação pelo novo coronavírus, em Parintins. A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) e Vigilância Sanitária adotaram medidas preventivas para acabar com a aglomeração, a partir desta quarta-feira (15).


Houve recomendação para o fechamento do perímetro da Rua Benjamin da Silva, com a retirada da tenda da frente da agência, a fim de evitar a formação de filas e auxiliar no trabalho de fiscalização da equipe da Vigilância Sanitária. Outra orientação é o uso obrigatório de máscaras fora e dentro da agência, com a limitação de entrada de clientes.

O defensor público, Luiz Gustavo Cardoso, e o gerente da Vigilância Sanitária, Leopoldo Mendonça, efetuaram diligência na Caixa Econômica Federal, na tarde de terça-feira (14). A atuação conjunta ocorreu após o recebimento de denúncias por parte da população sobre a aglomeração de clientes, em busca do saque do Auxílio Emergencial.

“Reforça-se a necessidade de conscientização da população, diante do grave momento que enfrentamos, para que o trabalho do poder público e das instituições também possa surtir efeito”, explica o defensor público. Luiz Gustavo lembra que, por meio do aplicativo “Caixa Tem”, as pessoas podem consultar o Auxílio Emergencial, sem sair de casa.

Devido aos riscos de reincidência de aglomeração, as tendas foram retiradas da frente da agência bancária. O gerente da Vigilância Sanitária, Leopoldo Mendonça, pede o respeito das pessoas para com os profissionais da linha de frente no combate ao coronavírus, com o cumprimento do distanciamento e isolamento social.

você pode gostar também