Andrade Gutierrez fecha acordo de leniência e deve pagar indenização de R$ 1 bilhão

O juiz federal Sérgio Moro homologou, na última quinta-feira (5), o acordo de leniência da Andrade Gutierrez pelo qual a empresa se compromete a pagar indenização de R$ 1 bilhão. A negociação com o Ministério Público Federal foi iniciada em outubro de 2015.

No início de abril, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), já tinha homologado a delação premiada de 11 ex-executivos da Andrade Gutierrez.

Entre os depoimentos, estão as colaborações do ex-presidente Otávio Marques de Azevedo e do ex-executivo da construtora Flávio Barra.

O ministro do STF ainda não levantou o sigilo das delações. Mas, segundo fontes, nos depoimentos, os executivos relataram que a companhia realizou pagamentos diretos à empresa contratada pela campanha da presidente Dilma Rousseff, em 2010.

Azevedo contou ainda que sua empresa participou de esquemas em outras obras, além da Petrobras, como estádios da Copa do Mundo e obras relacionadas à Usina de Belo Monte.

Os delatores também afirmaram que recursos de propina abasteceram a campanha à reeleição da petista em 2014. São citados nominalmente os ministros da Secretaria de Comunicação do Planalto, Edinho Silva, e da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, além do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e do ex-ministro Antonio Palocci.

Pelas regras do acordo de leniência, a empresa admite ter cometido ilícitos, acerta o valor de uma indenização, implanta programas de controle interno e fornece informações sobre as irregularidades. Em troca, se livra da inidoneidade. O valor de R$ 1 bilhão foi fechado entre os advogados da empreiteira e a força-tarefa da Lava Jato.

As informações sobre o acordo da Gutierrez estão em anúncio que será publicado, na segunda-feira (9), nos jornais sob o título ‘Pedido de desculpas e manifesto por um Brasil melhor’. A empresa diz que deve “um sincero pedido de desculpas ao povo brasileiro”. Afirma que “erros graves” foram cometidos nos últimos anos, mas que, além do pedido de desculpas, faz oito propostas “para um Brasil melhor”.

A construtora diz que está implementando, desde dezembro de 2013, uma nova governança, baseada em rígido código de ética e conduta, em linha com as melhores práticas adotadas em todo o mundo. No comunicado, a empresa reforça o compromisso de ser “absolutamente intolerante” com qualquer desvio ético ou moral.

A Andrade Gutierrez afirma também que vai continuar colaborando com as autoridades no decorrer das investigações. “Acreditamos que a operação Lava Jato poderá servir como um catalisador para profundas mudanças culturais, que transformem o modo de fazer negócios no País”, diz o texto.

Do Estadão Conteúdo

você pode gostar também