Após 7 meses do desabamento, DNIT não tem previsão para obra e reabertura do Porto de Parintins

Eldiney Alcântara | 24 Horas

[email protected]

Após sete meses do desabamento de parte da frente do porto de Parintins, as obras de reconstrução ainda não começaram e o local permanece, parcialmente, interditado. Essa semana, o deputado federal Capitão Alberto Neto (REPUBLICANOS) e o vereador de Parintins, Babá Tupinambá (PDT) instigaram o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) para realização imediata dos trabalhos de recuperação.

Alberto Neto protocolou pedido junto ao DNIT para que a obra de reconstrução da área que desabou seja reconstruída. O parlamentar citou a iniciativa na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas, ALEAM. Segundo Capitão Alberto, o porto de Parintins apresenta, de forma recorrente, problemas estruturais que precisam ser resolvidos de forma definitiva. Ele aponta a importância daquela estrutura hidroviária para o transporte de pessoas e a economia local.

A iniciativa de Alberto Neto aconteceu à pedido do vereador Babá Tupinambá, que levou a demanda de Parintins ao parlamentar federal. Segundo Babá, o porto é um local que concentra muitos trabalhadores, que precisam de seu pleno funcionamento. “Estou sendo muito procurado por caminhoneiros, taxistas, mototaxistas e ambulantes. Pessoas que desembarcam e embarcam, pessoas pedindo apoio pra que a gente consiga fazer com que a empresa que estava fazendo o trabalho no porto volte a fazer o trabalho para que possa reabrir o porto”, explicou.

Segundo o coordenador do porto de Parintins, Elian Hipólito, ainda não há data para início dos trabalhos de reforma. Ela conta que o projeto de reconstrução está em processo de licitação. Atualmente, o porto fluvial funciona apenas para passageiros das embarcações. O transporte de carga está suspenso desde agosto de 2020, quando houve desabamento de parte do muro de contenção do local.

 

Fotos: Yure Pinheiro

você pode gostar também