Após revelação de sacerdote, jornalista diz que acusações foram desmontadas

Na última terça-feira (15/3), o jornalista italiano Emiliano Fittipaldi, julgado no caso Vatileaks pela divulgação de documentos sigilosos da Santa Sé, afirmou que a acusação contra ele e seu colega, Gianluigi Nuzzi, foi “completamente” desmontada.

Segundo a EFE, após deixar o tribunal, Fittipaldi disse que os interrogatórios ao sacerdote espanhol Lúcio Vallejo Balda, também acusado no caso, “desmontaram completamente” as acusações que o Vaticano tem contra eles.
O jornalista destacou que ninguém pressionou o sacerdote para que filtrasse os documentos secretos. Ele lamentou que “no Vaticano um profissional de imprensa possa ser julgado simplesmente por fazer perguntas”, o que qualificou de “inaceitável”.
Balda atuou como secretário da extinta Comissão investigadora dos organismos econômicos e administrativos da Santa Sé (COSEA), de onde era gerada a maior parte dos arquivos revelados. Além dele e dos jornalistas, também são acusados a italiana Francesca Chaouqui e o administrativo Nicola Maio.
Na última segunda-feira (14/3), o sacerdote revelou que entregou a Nuzzi cinco páginas com 87 senhas de e-mails da Comissão de Estudos sobre as Atividades Econômicas do Vaticano (Cosea), órgão criado pelo papa Francisco para monitorar as finanças da Santa Sé.
Fonte: Portal Imprensa
você pode gostar também