-Publi-A-

Astrofísica e Astronomia Solar

Fig1: Trânsito de Mercúrio C.I.: NASA

  O Núcleo de Ensino e Pesquisa em Astronomia (NEPA/UEA/CNPq) anunciou esta semana o início dos estudos na linha de pesquisa: “Astrofísica e Astronomia Solar”.

Segundo afirmou o Dr. Nélio Sasaki, pesquisador e líder do NEPA/UEA/CNPq: “As observações iniciar-se-ão em maio. Justamente no mês em que teremos o trânsito de Mércurio. A seguir o exemplo de outras actividades do NEPA/UEA/CNPq, será fundamental a participação e o envolvimento de estudantes e professores da rede pública de Ensino da microrregião de Parintins. Neste projecto, o NEPA pretende envolver a comunidade escolar: alunos e professores das Escolas Públicas (EJA, falantes em LIBRAS, alunos com Síndrome de Down, Ensino Fundamental I e II; e alunos do Ensino Médio); assim como, envolver também as famílias e a comunidade em geral. A essência continua a mesma: promover uma educação inclusiva no Estado do Amazonas.”.

Vale lembrar ainda que outras escolas (particulares) também trabalham em parceria com o NEPA.

O projecto deste ano foi recebido pela comunidade científica com muita alegria, sendo apontado como um dos destaques da Astronomia brasileira a nível internacional.  Classificado pela União Astronómica Internacional (UAI) como uma das prioridades da UAI, este projecto leva consigo o nome da UNESCO.

Como uma das suas finalidades, o NEPA pretende aprimorar os estudos em Astrofísica e Astronomia Solar.  “O Sol é a estrela mais próxima de nós. O seu estudo possibilitar-nos-á comprendê-lo melhor. E então, propor soluções que sejam viáveis para as necessidades actuais da humanidade. O NEPA/UEA/CNPq não somente quer olhar para o Sol, mas também, compreender a fundo a sua cromosfera – região solar que fica imediatamente acima da fotosfera. A temperatura da cromosfera pode variar entre 6 mil graus Celsius até 20 mil graus Celsius. E é justamente essa faixa (de 20 mil graus Celsius) que iremos explorar. Algumas cousas interessantes que  buscaremos entender são: espículas, proeminências, erupções e filamentos do Sol.” – salientou Dr. Sasaki.

As espículas, por exemplo, são jatos dinâmicos de aproximadamente 500 km de diâmetro no Sol, os quais se movem a uma velocidade de 20 km/s, ou seja, percorrem 20 km a cada 1 segundo. Se levarmos em consideração que a distância entre Parintins a Manaus, por via fluvial, é de 420 km. Então esses jatos solares gastariam apenas 21 segundos para  sair de Parintins e chegar à capital.

Fig2: Espículas. C.I.: NASA.
Fig2: Espículas. C.I.: NASA.

 

Fig3: Proeminências. C.I.: NASA. .
Fig3: Proeminências. C.I.: NASA.
.

 

 Fig4: Erupções. C.I.: NASA.

Fig4: Erupções. C.I.: NASA.

 

Fig5: Filamentos. C.I.: Oliver Hardy
Fig5: Filamentos. C.I.: Oliver Hardy

Para levar esse projecto adiante o NEPA/UEA/CNPq contará com parceiros internacionais.  Essa linha de pesquisa eleva o grau de pesquisa que a Astronomia Amazonense alcançou.

Na matéria seguinte, falaremos especificamente do trânsito de Mercúrio e a observação realizada pelo NEPA/UEA/CNPq.

Dr. Nélio Sasaki – Doutor em Astrofísica, Líder do NEPA, Membro da AIU, Membro da ST/Brasil, Membro do PLOAD/Brasil, Membro da SAB, Membro da ABP, Membro da SBPC, Membro da SBF, Revisor da Revista Areté, Revisor da Revista Eletrônica IODA, Revisor ad hoc do PCE/FAPEAM, Coordenador do Planetário Digital de Parintins, Coordenador do Planetário Digital de Manaus, Professor Adjunto da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

 

você pode gostar também