Astronomia em Manacapuru-AM: Frutos do EREA76

Figura 01: Escola Estadual Agra Reis - Manacapuru-AM.

  O Encontro Regional de Ensino de Astronomia (EREA76), o qual  aconteceu em Março  na capital  amazonense,  está  a dar frutos. Hoje, iremos conhecer um pouco mais da única escola de Manacapuru presente no EREA: Escola Estadual Agra Reis. Antes, vamos  conhecer um pouco  sobre o município de Manacapuru.

  Manacapuru é um dos 61 municípios  do interior do Amazonas, também sustenta o posto de quarta cidade mais populosa do estado  com aproximadamente  96,2 mil habitantes e está localizada à margem  do Rio Solimões.  Sua história  está intimamente ligada   à aldeia do Índios  Mura, os quais viviam  na margem  esquerda   do rio Solimões por volta  do século  XVIII.  Tradicionalmente, Manacapuru é conhecido pelo lema: “Princesinha do Solimões”. Manacapuru é uma palavra de origem indígena, a qual  deriva  das expressões  Manacá e Puru. Manacá é uma planta  brasileira das dicotiledôneas. Em Tupi-Guarani seu significado é “Flor”. Puru possui a mesma origem, mas quer dizer enfeitado ou matizado. Portanto, Manacapuru em Tupi-Guarani significa Flor Matizada. Outra versão vem do dialeto indígena mura,  onde Mana  significa “Flor”  e Capuru significa “Matizada”.

Figura 02:  Flor  de  Manacá.
Figura 03: Manacapuru -AM.

 Na linda cidade de Manacapuru, distante 93 km da capital, encontramos  a  Escola  Estadual Agra Reis, cuja gestora é a  Profª. Sidelene  Alves   da Silva.

Figura 04: Gestora da Esc. Est. Agra Reis – Prof.ª Sidilene Alves da Silva.

   Ao longo  do  76º EREA realizado  em Manaus de  13 a 15 de Março,  a Escola Estadual  Agra Reis de Manacapuru – juntamente com o apoio da SEDUC-AM –  enviou  dois professores para o curso de Capacitação em Astronomia e Astronáutica,  a saber: Prof. Samuel  Feitosa  do Carmo  e Prof.ª Tayna  Souza Porto.

   Além das  palestras e oficinas voltados para  as áreas de Astronomia e Astronáutica, os docentes  ainda   participaram   de sessão no Planetário Digital NEPA e  observação  do céu. A participação dos Professores da Esc. Est. Agra Reis  no EREA  rendeu à escola  um Galileoscópio – instrumento  que a escola usará para observações  do céu noturno.

Figura 05: Prof.ª Tayna Porto na oficina sobre foguetes.
Figura 06:  Prof. Samuel Feitosa a   entregar o termo de compromisso  do Galileoscópio para  o Dr. João Canalle.

     Tanto  a Prof. ª Tayna Porto quanto  o Prof. Samuel Feitosa se comprometeram  a levar o Galileoscópio para  a Escola Estadual Agra Reis.  E missão dada, foi missão cumprida!

   Tão logo regressaram para  Manacapuru,  os docentes  apresentaram   o novo instrumento adquirido pela Escola à comunidade estudantil.

Figura 07: Prof.ª Tayna Porto e Prof. Samuel Feitosa a apresentarem o Galileoscópio aos alunos.

   Nesta semana, entrevistamos    o Prof. Samuel Feitosa  e   a Prof.ª Tayna Porto para sabermos   quais acções  estão a serem realizadas na Esc. Est. Agra Reis.

   O Prof. Samuel   salientou que, embora seja muito recente,  em menos de um (01) mês   a Escola  já  vivencia uma  nítida transformação  em termos de acções socio-educativas.  Para  ele: “ O  EREA76 teve uma importância muito grande. Eu  sempre me interessei pela área. Mas não havia uma  chance  concreta de me aprofundar. E quando surgiu o EREA76 – o primeiro  a ser realizado no Amazonas – cresceu muito minha paixão pela Astronomia.”

   Sobre  o  que mudou na Escola após EREA,  o Prof. Samuel Feitosa pontua: “A partir do EREA, vi inúmeras possibilidades de trabalhos e projetos que posso fazer com os alunos e então comecei a pôr em prática tudo que um dia tinha vontade de fazer, mas que não sabia por onde começar,  e que no EREA pude aprender! Por exemplo,  há  três (03) anos  temos um Clube de Ciências,  o qual   apresenta experimentos  para  a Feira de Ciências  que a Esc. Est. Agra Reis  realiza ao final do ano letivo. A partir  do  EREA, decidimos   trabalhar  todos os  nossos projetos  em cima do tema Astronomia. O que  deu origem ao Clube de Astronomia da  Escola Estadual Agra Reis –  o primeiro de Manacapuru.”

   Quanto à acções do Clube de Astronomia, o Prof. Samuel  esclarece: “Reunimos   com os alunos  todas as segundas e sextas-feiras. A Prof.ª  Tayna Porto se reúne com os alunos às quartas-feiras, ela  está a trabalhar    História da Astronomia e Empoderamento Feminino na Astronomia. Os alunos foram divididos    por sala   para  a montagem  dos foguetes. A expectativa é que até o final de Abril   todos os foguetes estejam prontos  e os lançamentos  sejam realizados.”

   Vale  ressaltar que esta é a primeira vez que   a Escola Estadual Agra Reis  irá participar da Olimpíada  Brasileira de Astronomia  (OBA)  e da Mostra Brasileira  de Foguetes (MOBFOG). Quanto ao quesito experiência, o Prof. Samuel Feitosa não se deixa  abalar, afinal, a capacitação recebida no EREA 76   foi voltada justamente  para essas situações. Desta maneira, tanto ele quanto a Prof. ª Tayna Porto estão  devidamente preparados para   dar aos alunos da Esc. Est. Agra Reis a melhor formação e preparação para  a OBA e MOBFOG. Sublinhamos que  a  partir deste ano  os alunos  da Esc. Est. Agra Reis irão  participar  de duas competições nacionais, isto é, irão concorrer com os alunos das demais escolas  públicas  espalhadas por todo o Brasil. Os melhores receberão medalhas de Ouro, Prata e Bronze e,  aqueles  que  obtiverem  rendimento  de destaque serão convocados para  a selectiva da OBA.

   “Em geral,  a principal mudança  foi  o interesse dos  alunos  pelos estudos.  Optamos em compor o clube de Astronomia  com alunos selecionados e que foram posteriormente convidados a participar. O  intuito  é  que  os atuais alunos   venham a se envolver com a  Astronomia e Astronáutica e, possam,  motivar aos demais estudantes  da escola a participarem também – e isso já começou a acontecer.”-  sublinhou o Prof. Samuel Feitosa.

   Quando perguntado como a Astronomia contribuiu para o crescimento  da Esc. Est. Agra Reis e  para o aprendizado dos alunos,  o Prof. Samuel prontamente afirmou: “A Astronomia aborda todas as áreas do conhecimento humano  (exatas, biológicas e humanas). Além  de responder diversas perguntas que o ser humano possui  em relação ao mundo a sua volta, é maravilhoso ver nos alunos a curiosidade em saber algo; igualmente, é gratificante vê-los  a descobrir como ocorrem por exemplo os movimentos  de translação e rotação,   fenômenos como eclipse ou sol da meia-noite. Ou ainda, como os antigos usavam as estrelas para se guiarem. Então, com certeza o tema contribuiu bastante para eles e para nós!”

    A Prof.ª Tayna Porto sublinhou que  o EREA  foi um divisor de águas – “Antes,  tínhamos  vontade de  levar para nossos alunos  novas perspectivas e, nem sempre  conseguíamos  realizar  tais ações, por diversos motivos.  Após o EREA 76, um leque de possibilidades  se abriu e  hoje, certamente temos ferramentas que  aproximam  a Esc. Est. Agra Reis e  a Ciência e Tecnologia. Essa meta aos poucos  está  a se tornar uma realidade  em Manacapuru.”

   Quanto às mudanças na Escola, a Prof.ª Tayna Porto  sublinha: “O que podemos perceber  é que  a metodologia melhorou visivelmente.  A transdisciplinaridade  ganhou mais espaço.  O diálogo entre os  docentes  da nossa Escola  foi intensificado e os alunos assimilaram essa nova proposta. Os alunos passaram a questionarem mais,  buscarem  respostas às perguntas levantadas em atividades  do Clube de Astronomia, se tornaram mais participativos.”

   Reunindo com os alunos todas as quartas-feiras, a Prof.ª Tayna Porto detalha  o trabalho que está a desenvolver  à frente do Clube de Astronomia: “ Eu trabalho  a História da Astronomia e, na semana que vem, irei  começar a falar sobre empoderamento feminino na Astronomia.  A temática  História da Astronomia  é  porque  minha formação é na área de História, e eu me sinto  motivada  a desenvolver esse tema.  Ao passo que a  temática  Empoderamento Feminino na Astronomia foi uma sugestão do Dr. Nélio Sasaki do Núcleo de Ensino e Pesquisa em Astronomia – NEPA.  Foi ele que me incentivou  a mostrar para nossas alunas  e para  as manacapuruenses  o quanto é importante  a participação das mulheres na Astronomia e Astronáutica.  Foi então que conversei com as nossas alunas  e, hoje, temos três (03)  meninas  de 15 a 16 anos de idade. Claro,  notei a minha importância  sobretudo  nas palestras e oficinas, afinal, quando eu estou presente,  as alunas   se sentem mais encorajadas  a participarem também. Outro aspecto importante é o fato  das alunas não se intimidarem,  elas  buscam o espaço delas  e são muito competitivas, por exemplo,  elas querem sempre tirar as maiores notas, concluírem  as atividades delas primeiro, etc. E isso é algo muito positivo para nós mulheres.”

   A Prof.ª Tayna pontua ainda que  a Esc. Est. Agra Reis   tinha alunos especiais  ano passado, porém, esse ano não tem mais. Mas, a Escola está preparada para  ofertar à comunidade  de Manacapuru uma  Educação Inclusiva.

   Quando perguntada sobre quais  acções foram  desenvolvidas  na escola,   a Prof.ª Tayna  é  categórica: “Embora seja pouco tempo, após o EREA,  já começamos  a trabalhar   temas  como  contagem  do tempo,  as estações do ano e  os calendários dos povos  da antiguidade.  Estes tópicos foram elencados  conforme  a  nossa realidade  e os saberes prévios de nossos alunos e alunas.”

   O que podemos  perceber  é que  a metodologia melhorou , a trnasdiciliplinariedade  ganhou mais espçao.  História da Astronomia- fala sobre  o empoderamento feminino. Foram feitas duas reuniões  e  abordamos   temas como a contagem do tempo, as estações, os calendários dos povos da antiguidade, são temas já abordados.

   Quanto ao Clube de Astronomia, a Prof.ª Tayna Porto esclareceu que: “Conforme o Prof. Samuel Feitosa  já  pontuou havia  ações   que trabalhava a Ciência  na  Escola.  A nossa participação no EREA fez com que o Clube de Astronomia se tornasse uma realidade. Logo, foi um fruto da Capacitação   que recebemos no EREA76. A iniciativa  para a criação do clube  foi de ambos e  a Gestora  Prof.ª  Sidilene Silva  incentivou e apoiou  a ideia. Ela  literalmente abraçou  a proposta e nos motivou a seguir adiante. Os demais  docentes  da Esc. Est. Agra Reis também  manifestaram apoio às ações  e ao Clube  de Astronomia.  Com tantos fatores favoráveis,   nosso clube  está  a crescer  e nos orgulhamos em ser o primeiro de nossa cidade. Com  a diferencial, não somente tivemos essa ideia, mas  nos qualificamos para  fazer  com que tudo  se tornasse uma realidade em Manacapuru.”

   “A Astronomia   abre   muito nossos horizontes  e  faz a pessoa se questionar mais. Hoje, nossos alunos   estão com o pensamento crítico mais aguçados.  Eles  estão mais interessados nas pesquisas, nos estudos, ganharam autonomia  em termos de pensamento  crítico e autoanálise das inúmeras notícias sobre Astronomia que  estão disponíveis nas  redes sociais.”- afirmou a Prof. ª Tayna Porto.

   Antes de finalizar a entrevista o Prof. Samuel Feitosa e a Prof.ª Tayna Porto agradeceram  ao Governo do Amazonas, SEDUC-AM, Conselho Estadual de Educação –AM, à Gestora Prof.ª Sidilene Alves da Silva que   contribui com os docentes e dá  todo apoio  que  necessitam. Também eles  agradeceram  à Coordenação Pedagógica da Esc. Est. Agra Reis  e ao quadro de Professores  da unidade escolar,  ao apoio e participação dos alunos e ao incentivo dos pais e familiares dos alunos, ao apoio e incentivo do Núcleo de Ensino e Pesquisa em Astronomia (NEPA), à Universidade do Estado do Amazonas (UEA)  e à equipa da OBA, na pessoa do Dr. João Canalle.

Figura 08: Prof.ª Tayna Porto e ao fundo as três estudantes do Clube de Astronomia.

    A figura 06, acima, mostra a Prof.ª  Tayna Porto  a iniciar  mais uma palestra no Clube de Astronomia da Esc. Est.  Agra Reis. Ao fundo,  as três  estudantes, em ordem alfabética: Estella Praia da Silva, Sthefa Moraes dos Santos e  Thamara Rauane Pereira de Lima. Juntas,  elas mostram que  Astronomia é um espaço para as mulheres também.

Figura 09: Prof. Samuel Feitosa a explanar sobre conceitos básicos de Astronomia.

 

Figura 10: Clube de Astronomia da Esc. Est. Agra Reis – Manacapuru/AM.
você pode gostar também