Atleta indígena do Amazonas garante vaga na Copa do Mundo de tiro com arco

O atleta de tiro com arco, Gustavo Paulino dos Santos, 25 anos, garantiu mais uma conquista rumo às Olimpíadas de 2024. O jovem se classificou para as etapas do Mundial de Tiro com Arco, que serão realizadas na França e na Colômbia. 

Na seletiva para a competição que acontecerá na França, Gustavo foi destaque e se classificou em segundo lugar, conquistando vaga na seleção brasileira. Com os resultados, o atleta confirma participação em três etapas internacionais neste ano. 

Indígena, nascido na comunidade Nova Kuanã, no interior do Amazonas, Gustavo é apoiado pelo programa de Arquearia Indígena, da Fundação Amazônia Sustentável (FAS) e da Federação Amazonense de Tiro com Arco (FATARCO). 

No início de maio, Gustavo teve sua primeira participação em uma Copa do Mundo durante a fase sul-coreana da competição, realizada em Kwangju. Ele compôs a equipe de oito atletas da seleção brasileira que disputaram a competição. Em janeiro, ele foi convocado para treinar com a seleção na cidade de Maricá, no Rio de Janeiro.

A Copa do Mundo de Arquearia é disputada em diversas etapas e esta foi a primeira competição da equipe brasileira neste ano. Para as próximas fases, Gustavo tem o objetivo de melhorar o seu desempenho e ranqueamento para garantir chances de chegar às Olimpíadas.

“Meu objetivo no esporte é chegar ao nível mais alto, estar entre os dois melhores do Brasil para ter chances claras. Estou treinando para cumprir as minhas metas e os objetivos do projeto da FAS de colocar um dos participantes nas Olimpíadas, agora visando Paris 2024”, afirma.

Arquearia Indígena

A valorização da cultura e da identidade dos povos indígenas do Amazonas é a maior meta do Projeto Arquearia Indígena, desenvolvido desde 2013 pela FAS, em parceria com a Federação Amazonense de Tiro com Arco (FATARCO) e o Governo do Amazonas para incentivar o esporte.

O projeto é financiado pela Bemol e tem apoio da Confederação das Organizações e Povos Indígenas do Amazonas (Coipam), da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), da Fundação Estadual do Índio e do Ministério da Cidadania, por meio da Lei do Incentivo ao Esporte.

A iniciativa também recebe apoio via Lei do Incentivo e tem como objetivo principal promover oportunidades de crescimento e desenvolvimento à atletas indígenas, por meio do Tiro com Arco, além de popularizar a arquearia e fortalecer a imagem e a autoestima das populações indígenas da Amazônia. 

Atualmente, o projeto que está sendo executado é o “Arquearia Indígena IV”, financiado pela Bemol e conta com o apoio da Confederação das Organizações e Povos Indígenas do Amazonas (Coipam), da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), Fundação Estadual do Índio e Ministério da Cidadania, por meio da Lei do Incentivo ao Esporte. O projeto, via Lei do Incentivo ao Esporte, se iniciou em setembro de 2021 e beneficia 5 atletas indígenas de 3 povos diferentes e visa dar condições de treinamento e preparação para os jovens atletas.

Sobre a FAS

A Fundação Amazônia Sustentável (FAS) é uma organização da sociedade civil fundada em 2008, com a missão de “contribuir para a conservação ambiental da Amazônia, através da valorização da floresta em pé e sua biodiversidade, aumentando a qualidade de vida das comunidades ribeirinhas associando a implementação e disseminação de conhecimento sobre desenvolvimento sustentável”. Com base em Manaus, a FAS coordena projetos ambientais, sociais e econômicos focados na conservação da floresta amazônica. É uma organização sem fins lucrativos, sem ligações político-partidárias, de utilidade pública e assistência social. Saiba mais no nosso site.

você pode gostar também