Balsa irregular escapa de amassar casa com três pessoas no Boto, na beira do rio Amazonas 

Foto: Divulgação

Da Redação | 24 Horas
[email protected]

Parintins (AM) – Um comboio de balsas quase passou por cima da casa da Fazenda Santo Agostinho, nas proximidades do igarapé do Goiano, na margem esquerda do rio Amazonas, na comunidade São Sebastião do Boto, no início da madrugada desta quinta-feira (18). Pelo menos três pessoas estavam dentro da residência, localizada em uma ponta de remanso, devido à forte erosão fluvial.

Os moradores se assustaram e acordaram com o barulho do impacto da embarcação, com mais de 50 metros de comprimento, na ribanceira do campo de criação de gado, em área de várzea inundada em algumas partes pelas águas da enchente do rio Amazonas. A balsa, conduzida pelo empurrador Antônio Prates, encalhou e não conseguiu mais sair do local.

A embarcação ficou a poucos metros de atingir a casa de fazenda, situada em área de risco, por causa do encontro da correnteza forte do rio Amazonas com o remanso do Santo Agostinho. Uma das hipóteses para o acidente, sem vítimas, é que o comandante do empurrador pode ter perdido a direção, devido ao encontro do comboio de balsas com a corrente fluvial em sentido oposto.

A Capitania dos Portos de Parintins havia apreendido a embarcação de transporte de cargas pesadas nas proximidades da Serra da Valéria, horas antes, em virtude de pendências de documentos obrigatórios para navegação do empurrador. O agente fluvial de Parintins, Capitão-Tenente André Vieira, comunicou que a balsa estava com irregularidades e deveria saná-las antes de continuar viagem.

De acordo com o comandante da Capitania dos Portos de Parintins, a embarcação precisava de regularização para continuar viagem até Manaus. O Capitão-Tenente André Vieira informou que o proprietário recebeu orientação para sanar todas as discrepâncias e liberar a embarcação. Duas equipes da Capitania dos Portos de Parintins estiveram no local do acidente.

O Capitão-Tenente André Vieira não descarta a abertura de procedimento administrativo para apurar as circunstâncias do incidente. Para o oficial da Marinha do Brasil, o comandante da embarcação pode ter tentado se evadir ao seguir viagem, mesmo sem resolver as pendências, e cometido uma infração ao desrespeitar as normas de segurança na navegação.

você pode gostar também