Caprichoso comemora 20 anos de pioneirismo da Troup em festa no Zeca Xibelão

Além dos parabéns, a festa de aniversário da Troup Caprichoso teve apresentação do Pajé Neto Simões, do Boi Caprichoso, com Markinho Azevedo e Brena Dianá.

A história e o legado da Escola de Arte Irmão Miguel de Pascale, um dos projetos sociais mais importantes do Boi Caprichoso, foram evidenciados durante a comemoração de duas décadas da Troup, realizada no curral Zeca Xibelão, em Parintins, na noite deste sábado, (25/05). O ensaio show contou com as apresentações do Pajé Neto Simões, do Boi Caprichoso e da embaixadora do Folclore, Brena Dianá. A Troup nasceu na “Escolinha do Caprichoso”, com os alunos dos professores de dança Marcos Falcão, Irian Butel e Jair Almeida.

A festa começou com dançarinos de todas as gerações da Troup Caprichoso em apresentação no palco, no ritmo da Marujada de Guerra, da banda Caprichoso e dos levantadores de toadas Márcio do Boi e Diego Brelaz. “Subir nesse palco me faz viajar no tempo e, ao mesmo tempo, me deixa muito feliz, com o sucesso que é este grupo”, comenta o dançarino Valber, que integrou o primeiro grupo de dançarinos da Troup.

O Boi Caprichoso evoluiu ao lado dos dançarinos no palco do espetáculo e o tripa Markinho Azevedo mostrou, porque é conhecido como “criador e criatura” quando está com o estrela da festa. O pajé Neto Simões fez uma performance que ratificou as notas dos jurados que lhe tornaram item bicampeão. Brena Dianá, ao subir ao palco, foi reconhecida pela dedicação ao Caprichoso. Ao evoluir, ganhou gritos, aplausos e lágrimas. A emoção tomou conta daquela que por 10 anos defendeu o reinado como majestade do folclore. “Eu me emociono com todo esse carinho. Estou na torcida pela Cleise (Simas), pelo tricampeonato e sei que quando começar apresentação no Bumbódromo me emocionarei bastante”, prevê a ex-miss Amazonas.

Pioneirismo

O Boi Caprichoso foi pioneiro nas coreografias de arena do Bumbódromo, com espetáculos cênicos. Inicia com a “Tribo Show” do Waldir Santana. Depois evoluiu com o trabalhos dos corégrafos Irian Butel, Jair Almeida e Marcos Falcão, por meio da criação da Troup Caprichoso.
O grupo, que nasce na Escola de Arte Irmão Miguel de Pascale, participa das apresentações especiais como desfiles cívicos, eventos desenvolvidos pelo município e, mesmo em meio as críticas de alguns setores que na época eram contra a participação da “Escolinha do Caprichoso” em eventos públicos, a insistência dos professores de dança deu certo. Os meninos da Troup se tornaram itens e com tribos indígenas e coreografias deram notas máximas ao Boi Caprichoso na arena do bumbódromo.

Grupo de Teatro

Foram certificados pelo Boi Caprichoso os integrantes do grupo de teatro que participaram do curso promovido pelo Associação de Gays Lésbicas e Travestis de Parintins (AGLTPIN). O doutorando em artes cênicas Fabiano Baraúna foi quem ministrou as oficinas, em parceria com a Prefeitura de Parintins que cedeu o espaço do Centro de Educação Infantil Chapeuzinho Vermelho para a realização das atividades. O evento também teve a participação do Departamento Cênico do Boi Caprichoso (DCC).

O presidente da AGLTPIN, Fernando Moraes, o Dinho, ressaltou a ousadia e o empenho do Caprichoso em incorporar a associação ao projeto de arena 2019. Para o coordenador do DCC “os atores e atrizes caboclas” já se empenhavam e recebiam notas máximas trabalhando, sem orientação técnica tenham certeza que o empenho será ainda maior”, concluiu Erivan Tuchê.

você pode gostar também