Casal é preso enquanto tentava ‘vender’ criança em Presidente Figueiredo

Um caso inusitado foi registrado na tarde desta quinta-feira (10), no 37º Distrito Integrado de Polícia (DIP) em Presidente Figueiredo, provavelmente relacionado ao tráfico de crianças para adoção.

O caso chamou bastante atenção das autoridades policiais, quando um casal tentou registrar na Secretaria Municipal de Saúde, uma criança utilizando documentos falsificados.

O casal procurou a secretaria em busca da Certidão de Nascido Vivo, documento esse necessário para o registro oficial de uma criança, alegando que o recém-nascido supostamente veio ao mundo em parto natural na zona rural do município, mas que se encontrava na capital.

A princípio o suposto pai, apresentou-se como Renato da Costa Gama e estava acompanhado de Nelcineia Moreira Leitão que seria a testemunha necessária e obrigatória para a emissão desta certidão.

Ao verificarem a caderneta de gestante, os funcionários da secretaria perceberam uma rasura no documento, levantando a suspeita sobre o casal e então comunicaram o fato à Polícia Civil, tendo Dr. Valdinei Silva designado uma equipe para ir até a secretaria averiguar a situação. O casal foi conduzido ao distrito policial, onde foi descoberto uma série de ilicitudes praticada pelos dois.

O homem apresentado como Renato da Costa Gama, na verdade chama-se Henrique Andrade Pereira e portava um RG adulterado. Nelcineia Moreira Leitão que apresentou a caderneta de gestante em nome de Ana Carla da Silva Lopes e se dizia testemunha do nascimento da criança, supostamente é a mãe biológica da criança. Ao perceberam que o plano não estava dando certo, Henrique mudou a versão dos fatos dizendo que a mulher estava repassando a criança a ele para adoção.

Após as investigações, foi descoberto que a intenção do casal era registrar criança em nome de Renato e Ana Carla o que pode vir a ser um caso até de venda de criança para adoção. Diante de tantas contradições Henrique e Nelcineia foram flagranteados pelos crimes de falsidade ideológica, uso de documentos falsos, falsificação de documento público e tráfico de pessoas, ambos presos na carceragem do 37º DIP.

Enquanto isso, as investigações terão prosseguimento para localizar a criança, Renato e Ana Carla e assim elucidar o caso.

Com informações do RN Notícias

você pode gostar também