Centro de Controle de Doenças dos EUA apresenta resultados de pesquisa sobre Covid-19 em Parintins

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) apresentou na última semana os resultados de uma pesquisa sobre Covid-19 realizada em Parintins no mês de março. A pesquisa de importância internacional foi realizada em parceria com a Prefeitura de Parintins, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, Vigilância em Saúde Municipal e a Fundação de Vigilância em Saúde do Estado (FVS). A pesquisa contou ainda com a colaboração do LACEN Amazonas, Fiocruz Amazonas, Fiocruz Rio de Janeiro e Instituto Evandro Chagas.

O resultado minucioso será publicado após a apresentação dos dados ao Ministério da Saúde, destacou a médica infectologista Dra. Juliana de Fátima da Silva (CDC-Atlanta), e o médico sanitarista Dr. Roberto Jorge Freire Esteves (Escritório Regional do CDC para América do Sul)

Segundo Juliana, este foi o primeiro estudo de campo a caracterizar a epidemiologia da variante gama, também conhecida como P1. Aproximadamente 69% dos participantes do estudo com Covid-19 tinham a variante P1. O estudo também demonstrou que a maioria das contaminações se deu no ambiente domiciliar. De acordo com os dados coletados em Parintins, não se causou reinfecção naqueles que tinham tido Covid-19 previamente. ”São três achados muito importantes deste estudo feito aqui em Parintins que nos permitiu caracterizar a variante gama”, ressaltou

Em relação à constatação de que a maioria das pessoas contraiu o vírus em casa, Dr. Roberto Jorge Freire Esteves citou duas observações: como o vírus necessita de alguém que o transmita, algum indivíduo do domicílio se expunha ao meio exterior, servindo de foco de contágio para a família. Além disso, o uso de máscara dentro de casa foi incomum, menos da metade das pessoas reportaram usar máscara na presença de um familiar que testou positivo para SARS-CoV2. “Elas tinham a impressão do que o problema estava só no exterior, fora de casa. E quando chegava em casa, elas se descuidavam das medidas preventivas de uso de máscara e distanciamento social e acabavam se infectando”, expôs.

A coordenadora de Vigilância em Saúde, Elaine Pires. lembrou que o trabalho conjunto permitiu que 22 famílias (90 pessoas no total) fossem visitadas, entrevistadas e testadas em menos de 72 horas para a composição da pesquisa. Disse ainda que os achados são importantes para que se possa manter o controle da doença em Parintins. Ela reiterou que a pesquisa teve o apoio da Prefeitura de Parintins.

“A pesquisa ressalta a importância de continuar vigilante com as medidas de prevenção, como o uso de máscara e o distanciamento social. Mas, principalmente, a necessidade de tomar a primeira e a segunda dose da vacina contra o Covid-19 o mais rápido possível“, concluiu a infectologista Dra Juliana de Fátima.

você pode gostar também