Com gol legal anulado, Nacional perde do Remo e está fora da Copa Verde

Fonte: d24

Pelo terceiro ano consecutivo, o Nacional foi eliminado nas quartas de final da Copa Verde por um clube do Pará. Num jogo marcado pelas decisões polêmicas da arbitragem e chances de ouro de gols perdidas pelo Leão da Vila, o time amazonense ainda teve um gol de empate legítimo anulado e se despediu da competição com uma derrota por 1 a 0 para o Remo, no Estádio do Mangueirão, nesta quarta-feira à noite.  

Com o triunfo, o Leão Azul paraense se classificou para as semifinais da Copa Verde, com o meia Eduardo Ramos se transformando no carrasco do Naça no torneio. Autor do gol do empate em 1 a 1 no jogo de ida em Manaus, Ramos também foi o responsável pelo gol do Remo no Mangueirão, que garantiu o avanço do time da casa.

E ao Nacional, resta neste primeiro semestre a Copa do Brasil, na qual estreia no dia 20 deste mês contra o Dom Bosco-MT, e a Série D do Brasileiro, em junho. “Foi uma partida muito boa e que teve personalidade com uma equipe montada este ano”, suavizou a eliminação o técnico do Naça, Heriberto da Cunha.

Remo perigoso

Nos seis primeiros minutos de partida, o Nacional teve mais domínio em campo e priorizou os toques de bolas sem ansiedade em partir logo para o ataque. O Leão da Vila procurava explorar as jogadas pelas laterais devido o meio-campo bem marcado pelo time do Remo.

 E apesar da posse de bola maior do Naça, foi o adversário paraense que num intervalo de um minuto resolveu arriscar as primeiras finalizações do jogo. Aos seus minutos, Ciro avançou, pela esquerda, e cruzou a bola por cima do travessão, e no minuto seguinte, o atacante Welthon, de fora da área, também errou na pontaria.

Com os dois lances de perigo do Leão Azul, o Nacional começou a sofrer pressão no Mangueirão. Welthon era o jogador que mais ameaçava a meta do goleiro Roberto Gomes, com bolas na maioria das vezes de longe da grande área para tentar surpreender o arqueiro.

O Naça só conseguiu sair do campo de defesa, após quase dez minutos sendo recuado, para armar um contra-ataque com o lateral-esquerdo Radar, aos 17 minutos. No lance, o jogador azulino chutou a bola do meio de campo e deu um susto no goleiro do Remo, Fernando Henrique, que precisou se esticar para espalmar a bola para cima da trave.

Aos 26 minutos, Osvaldir levantou a bola para a grande área e o zagueiro do Nacional, Fabiano, cabeceou para fora. O Leão da Vila até conseguiu finalizar mais vezes. Mas as jogadas de perigo eram do clube anfitrião. Aos 30 minutos, Luiz Carlos ‘Imperador’ manteve a estratégia do Remo em arremessar a bola em longo alcance para o gol. Na sequência, aos 31 minutos, Welthon repassou para Eduardo Ramos, que de cara para o goleiro, perdeu uma chance única de abrir o placar para o time paraense ao bater a bola nos pés de Roberto Gomes.

E aos 32 minutos, a primeira polêmica do jogo em Belém com um pênalti duvidoso a favor do Remo, em que a bola acerta um zagueiro do Nacional próximo do braço e o árbitro Wagner Reway decidiu não marcar. Com a partida seguindo, o Leão Azul paraense voltou forte aos contra-ataques. Aos 41 minutos, Levy fez cruzamento pela direita e o goleiro Roberto Gomes bate para frente a bola que para azar do time de Manaus rebateu no peito de Eduardo Ramos, que fez 1 a 0 para os donos da casa.

A reação do Nacional não demorou. O problema que a arbitragem mais uma vez teve uma atuação polêmica. Aos 43 minutos, o atacante Tiago Verçosa recebeu livre a bola perto da pequena área cruzada por Sandrinho, pela esquerda, e cabeceou para o fundo das redes adversárias. O bandeirinha havia marcado erroneamente um impedimento antes da finalização da jogada e o gol legítimo do empate do Naça foi anulado causando revolta da equipe do Leão.

Para aumentar a frustração, Tiago Verçosa desperdiçou uma oportunidade clara de gol, aos 45 minutos, num chute à queima-roupa defendido pelo goleiro remista. Na volta do intervalo, o Nacional tentou ficar mais atento e ensaiou uma pressão. O time amazonense avançava para finalizar e o rival procurava defender com contra-ataques.

O Remo só não conseguiu ampliar a vantagem no placar devido às defesas seguras do goleiro Roberto Gomes. A equipe anfitriã seguia melhor nos lances de ataque e com as finalizações ameaçadoras de Eduardo Ramos. Do lado do Nacional, chances claras de marcar o gol do empate, que levaria para os pênaltis a decisão da vaga às semifinais da Copa Verde, eram negligenciadas.

Uma das oportunidades mais incríveis perdidas ocorreu, aos 34 minutos, quando Rafael Silva dentro da pequena área chutou a bola por cima do travessão. Nos minutos finais, o Leão da Vila pressionou com cobranças de faltas e escanteios, mas de nada adiantou. O placar seguiu inalterado até os 49 minutos do segundo tempo, com o árbitro dando o apito final e o Remo garantindo a classificação com uma vitória magra por 1 a 0.

você pode gostar também