-Publi-A-

Com vaias e trapalhada, Vasco cai diante do Paraná em São Januário

O caldeirão esfriou. O Vasco que lidera com folga em nada tem justificado o favoritismo na Série B quando joga em São Januário. Ao som de muitas vaias, o time de Jorginho perdeu pela segunda vez seguida diante de seu torcedor.

Depois do Paysandu, há três rodadas, foi a vez do Paraná fazer a festa na Colina histórica nesta terça-feira, em partida válida pela 13ª rodada da competição: 2 a 1. Nenê abriu o placar para os vascaínos, mas Jorge Henrique, contra, e Murilo Rangel decretaram a virada.

Aislan e Julio dos Santos foram os que mais sofreram com os protestos do torcedor. Mesmo com a derrota, o Vasco segue no topo da tabela, mas viu a diferença para o Atlético-GO diminuir: 28 a 25. No próximo sábado, o compromisso é contra o Avaí, às 16h30 (de Brasília), na Ressacada, em Florianópolis.

O Paraná, por sua vez, saltou para nona posição, com 20 pontos, e viaja até Bragança Paulista, onde visita o Bragantino, no Nabi Abi Cheddi, também no sábado, às 16h.Um início que apontava para um jogo tranquilo e que se transformou em perigoso por conta da acomodação do Vasco. Logo aos cinco minutos de bola rolando, Madson cobrou lateral com força na área em jogada ensaiada que surtiu efeito mais uma vez: Nenê recebeu na área e emendou de primeira.

O lance foi praticamente o único de perigo dos vascaínos nos 45 minutos iniciais, permitindo que o Paraná se soltasse. Em contra-ataques e chutes de fora da área, os visitantes assustaram Martín Silva e foram recompensados com o empate aos 35. Após cobrança de falta na área, Jorge Henrique desviou contra o próprio gol.

Para piorar, Jorginho ainda perdeu Luan, por dores na região lombar.O Vasco voltou para o segundo tempo com a sede de vitória que se espera para um líder. Nenê assumiu o protagonismo e ajudou a encurralar o Paraná no campo de defesa.

Em bonita arrancada, o camisa 10 serviu Andrezinho, que acertou o travessão. Em chute de fora da área, quase marcou um golaço, mas parou no goleiro Marcos. Suportar a pressão parecia suficiente para os visitantes, que acabaram premiados com uma lambança da defesa vascaína.

Aislan e William bateram cabeça, e a bola sobrou para Robson avançar, cortar Rodrigo e rolar para Murilo Rangel tocar na saída de Martín Silva. Festa paranista ao som de muitas vaias em São Januário.

Do GE

você pode gostar também