Conheça as atrações de Parintins, cidade dos bumbás Garantido e Caprichoso

Parintins, sede do arquipélago das Ilhas Tupinambaranas, é um município amazonense localizado a 369 quilômetros de Manaus, capital do Amazonas, na região da divisa com o Pará. É palco de uma das maiores manifestações culturais do país: o Festival Folclórico de Parintins, um duelo entre os bois bumbás Caprichoso, representado pelas cores azul e branco, e Garantido, com as cores vermelho e branco.

Com mais de 100 mil habitantes, Parintins fervilha no período do festival, esperando receber este ano mais de 65 mil turistas. A paixão pelos bois está espalhada por todos os cantos da cidade. Residências, telefones públicos e ruas ostentam as cores dos bumbás, o azul ou o vermelho. Até a Coca-Cola, que inspirou o vermelho na roupa do Papai Noel, teve que se curvar ao fanatismo parintinense e cunhou um rótulo azul, especialmente para o período da festa, que ocorre no último fim de semana do mês de junho (sexta, sábado e domingo).

Apesar de voltada para o festival, a cidade tem outros apelos turísticos ainda pouco explorados: é cercada por belos e piscosos lagos e conta nas proximidades com praias de areias brancas, que têm seu auge no verão amazônico, entre agosto e setembro.

Vista aérea de Parintins. Foto: Pedro Coelho/Divulgação.
Vista aérea de Parintins. Foto: Pedro Coelho/Divulgação.
A calçada em azul do lado Caprichoso. Foto: Tereza Cidade.
A calçada em azul do lado Caprichoso. Foto: Tereza Cidade.

 

E a cor vermelha do lado Garantido da “Broadway”, a Praça da Catedral. Foto: Tereza Cidade
E a cor vermelha do lado Garantido da “Broadway”, a Praça da Catedral. Foto: Tereza Cidade

O que fazer em Parintins

Além do espetáculo dos bumbás, Parintins oferece outras atrações:

Catedral de Nossa Senhora do Carmo

Projetada na Itália, conta com uma torre de 40 metros de altura e é a construção mais alta da cidade. Nossa Senhora do Carmo é a padroeira de Parintins.

Praça do Comunas

Reduto dos torcedores do boi Garantido, mas de vez em quando “invadida” também pelo pessoal do Caprichoso, fica na orla da cidade e é uma das áreas mais agitadas durante o festival. Oferece uma bela vista do rio Amazonas e do por do sol na cidade.

Balneário Cantagalo

Localizado na comunidade do Aninga é dotado de píer, balneário, serviço de bar, restaurante e lanchonete, além de quadras de areia para futebol e voleibol, palco para shows e bosque para acampamentos. O acesso é por estrada asfaltada, com iluminação e sinalização. Durante o Festival Folclórico oferece shows de toadas dos bois Caprichoso e Garantido.

Catedral de Nossa Senhora do Carmo, padroeira da cidade, cuja concepção arquitetônica foi feita na melhor tradição italiana. Foto: Márcio Belchimol
Catedral de Nossa Senhora do Carmo, padroeira da cidade, cuja concepção arquitetônica foi feita na melhor tradição italiana. Foto: Márcio Belchimol

 

Os triciclos e as motos são os meios de transporte de Parintins.
Os triciclos e as motos são os meios de transporte de Parintins.

Orla do Rio Amazonas

Foto: Yusseff Abrahim
Foto: Yusseff Abrahim

Na orla de Parintins você pode apreciar a beleza e a força do rio Amazonas, que passa em frente à cidade. Um calçadão circunda a orla, que oferece bares e restaurantes com delícias regionais.

Passeio de triciclof79bb9_718bb9c1c1b64b3db82843fc28674cb9

Uma das atrações de Parintins são os triciclos, decorados das mais variadas formas, que levam os visitantes a conhecer com calma a cidade.

Visita aos currais dos bois

Cada boi tem o seu curral, onde ocorrem os ensaios e são criadas as fantasias e alegorias da apresentação do bumbá.58

Boi Garantido – Endereço: Rua Gomes de Castro, 685.105294_697x437_crop_5591affe0eeeb

Boi Caprichoso – Endereço: Rodovia Odovaldo Novo, km 1, s/n – Baixa do São José.

Mercado Municipal de Parintins

Foto: Márcio Belchimol
Foto: Márcio Belchimol

É o local indicado para experimentar o café regional, que não dispensa a tapioquinha e o “x caboquinho” (pão recheado com tucumã e queijo coalho). Não estranhe a tapioca mais grossa, com a goma diferente. Muitos restaurantes de Manaus oferecem tapioquinha feita com goma refeita da fécula de mandioca. Em Parintins, a tapioca vem direto do produtor e não tem qualquer tipo de aditivo ou processo industrial posterior. Sem contar que o tucumã, na maioria das vezes, saiu do pé no dia em que é servido. A tapioquinha fica, portanto, mais autêntica.

Lagoa da Francesaamazon-river-resort-hotel

Local onde os barcos atracam e muitos pescadores chegam com a produção do dia. A região do médio-baixo Amazonas vive, nesta época do ano, parte da piracema, com fartura de jaraqui, matrinxã, pacu, sardinha e outros peixes pouco comercializados em Manaus, como o aracu e o bodó. Por que esses peixes não lotam a cidade no período da festa? Os pescadores também são filhos de Deus e participam como integrantes dos dois bumbás. Os que estão na ativa geralmente desembarcam com o pescado no mercado municipal, em frente à Praça da Prefeitura, ou na Francesa.

Artesanato regional e indígenaimg_5307

Confeccionadas com raízes de árvores, palha, juta, penas e outros materiais naturais, as peças artesanais chamam atenção pela beleza. Durante o festival, as mulheres se enfeitam com cocares feitos com penas e sementes, alguns com as cores dos bois. Também são muito vendidas lembrancinhas do festival, como miniaturas dos bois e roupas.

Bumbódromo de Parintins

Inaugurado em 1988, é o palco do Festival Folclórico de Parintins. É um anfiteatro no formato de uma cabeça de boi estilizada. O nome oficial é Centro Cultural e Esportivo Amazonino Mendes, em homenagem ao governador do Amazonas à época da inauguração, que construiu o complexo.

O Bumbódromo, palco das apresentações do Caprichoso e Garantido. Foto: Pedro Coelho/Divulgação.
O Bumbódromo, palco das apresentações do Caprichoso e Garantido. Foto: Pedro Coelho/Divulgação.

 

Feira de Artesanato, com predominância da arte indígena. Foto: Márcio Costa/Divulgação.
Feira de Artesanato, com predominância da arte indígena. Foto: Márcio Costa/Divulgação.

 

Avenida Amazonas, em frente à Catedral, a área mais agitada de Parintins no período do festival. Foto: Divulgação.
Avenida Amazonas, em frente à Catedral, a área mais agitada de Parintins no período do festival. Foto: Divulgação.

Chapão

Foto: Márcio Belchimol
Foto: Márcio Belchimol

Fica na orla da cidade, ideal para ver o por do sol. É reduto dos torcedores do boi Caprichoso e mantém um sistema de som que anima as tardes dos simpatizantes e turistas.

Flutuante da Sorayaflutuante

Oferece comidas regionais e também é ideal para banho no rio, situado no lago do Macurani.

Igreja do Sagrado Coração de Jesus11909261_844136589033488_352534282_n

Construída em 1883 e na orla do rio Amazonas fica logo à frente do colégio Nossa Senhora do Carmo, respeitável instituição de nível médio da cidade.

Vila Amazôniavila

A 20 minutos de barco de Parintins, a Vila Amazônia foi o berço da imigração japonesa na década de 1930 e pioneira no cultivo da juta. Local de trilhas, igarapés e cachoeiras. Uma balsa sai diariamente do porto do Lago da Francesa para a vila.

Serra de ParintinsSDC12280

A Serra de Parintins, também chamada de Serra da Valéria, situa-se a 15 quilômetros de barco de Parintins (ou 1 hora de voadeira), de frente para o rio Amazonas e dentro do lago da Valéria, Oferece vista panorâmica da região. É uma pequena formação de 152 metros de altitude, circundada por espessa vegetação, que faz divisa com o Estado do Pará. O lago da Valéria é um dos mais piscosos da região e foi lá que os moradores afirmaram avistar o “chupa-chupa”, misto de alienígena e vampiro, que tem inúmeros registros de aparecimento na década de 1980.

Rio Uaicurapáviagem Terra Preta 038

Durante a vazante, entre os meses de agosto e fevereiro, é onde se localizam as belas praias fluviais, de areias brancas que constrastam com as águas escuras. Próximo ao rio estão as ilhas do Pacoval, das Onças e das Guaribas. A praia de Itaracuera, com uma extensão de mais de um quilômetro, é freqüentada inclusive durante o período do Festival, embora esteja quase totalmente submersa. Os parintinenses costumam chamar a região do Uaicurapá de “Caribe Parintinense”, devido à profusão de ilhas com praias de areias muito brancas.

Lago Macuricanãlago

Integra um complexo lacustre com cerca de 40 lagos, mas é melhor apreciado no verão amazônico. Trata-se de uma reserva que atravessa diversos Municípios, com maior parte do território em Parintins e Nhamundá.

Parintins tem, nos seus arredores, os lagos do Aninga, Parananema e Macurani, ideais para pescaria, atingindo o auge entre os meses de setembro e outubro.

Aeroporto de Parintins. Foto: Divulgação
Aeroporto de Parintins. Foto: Divulgação
Mapa de Parintins, produzido pela MAP, empresa que faz voos para o município.
Mapa de Parintins, produzido pela MAP, empresa que faz voos para o município.

Como chegar:

Localizada na margem direita do rio Amazonas, Parintins só é acessível por barco ou avião:Map (1)

Avião: Há voos diretos Manaus-Parintins, que podem durar 1 hora ou 40 minutos, dependendo da avião. No período do festival os voos têm várias frequências diárias. Mesmo assim, o ideal é adquirir a passagem com antecedência. Fora do período do festival, a MAP é a empresa aérea que oferece voos diários para Parintins.102439_697x437_crop_5535921f09ffc

Barco – A viagem demora de oito a 24 horas, dependendo da embarcação. No período do festival, os barcos de linha saem do porto da Manaus Moderna e ficam ancorados na orla de Parintins até o final do festival. O viajante pode atar sua rede e dormir no barco. Nesse tipo de embarcação, que leva em média 200 passageiros, a viagem demora entre 18h e 24h. O retorno é mais demorado, em média 24h.

As passagens são compradas em guichês no porto da Manaus Moderna, na Zona Sul de Manaus, ou direto com os proprietários dos barcos.

Além dos barcos de linha, mais lentos, também é possível chegar em Parintins nos A jato, lanchas rápidas fechadas que demoram de seis a oito horas de viagem. Nessas lanchas, que tem capacidade de até 90 pessoas, não é possível – nem necessário – pernoitar.

Fonte: Portal do Marcos Santos