Coreógrafo amazonense vai ministrar oficina de boi bumbá, carimbo e ciranda no Panamá

O coreógrafo amazonense Wilson Júnior, fundador, diretor e produtor cultural da Instituição Cultural Arte Sem Fronteiras, vai ministrar oficina de danças brasileiras no Panamá. As aulas vão acontecer de 6 a 12 de junho. A proposta foi aprovada pela Embaixada do Brasil no Panamá e o artista vai levar oficinas de carimbó, boi bumbá e ciranda para duas universidades, além de grupos de danças folclóricas do Panamá.
 
A oficina seria realizada em novembro de 2021, entretanto, houve alguns contratempos devido a proliferação do COVD 19 e a oficina não pode ser realizada. Wilson está confiante na realização desse trabalho agora em 2022.
 
“Infelizmente as coisas não saíram como foi planejado, mas estou forte e motivado para este novo momento. Tudo neste processo é muito atual, afinal, é a maior projeção da dança da região Norte do Brasil no exterior. Com este trabalho, é possível romper fronteiras. Será uma grande novidade, tendo em vista que os artistas do Panamá carregam uma bagagem cultural rica e muito expressiva e amor ao folclore”, disse.
 
O artista também fez questão de levantar bandeira em prol do folclore popular brasileiro em especial dos Bois de Parintins e do Boi Garantido onde foi recentemente contratado.
 
“Neste encontro com a comunidade, vamos aprender juntos o valor das nossas tradições e dos nossos saberes regionais. O folclore está em tudo ao nosso redor, nas brincadeiras de rua, na alegria da ciranda, nas Folias de Reis, nos Congados, no pai que ensina ao filho os antigos conhecimentos dos avós, nas adivinhações e crendices, nas músicas que representam as manifestações culturais de cada lugar, nos trajes que representam a força e a tradição de ensinamentos que perpassam gerações, enfim, o folclore está em nossa vida e faz parte do que somos. Preservar, divulgar e valorizar a identidade do nosso lugar e as nossas tradições, esse é o compromisso daqueles que se dedicam a manter essa chama artística e cultural sempre acesa”, reitera.
 
Sua contribuição artística é grande em torno cultura popular e vem movimentando a cena no Amazonas sendo convidado para produções que dialogam com a contemporaneidade, o trabalho com a cultura afrodescendente é bem presente em suas produções e nos levam a uma reflexão verdadeira em torno do movimento.
 
Biografia
 
Wilson Júnior vem representando o Amazonas com grandes trabalhos de projeção da cultura popular do norte do Brasil em seu currículo trás apresentações construídas para os festivais Toronto Brazilfest no Canadá, Festival da cultura brasileira na Áustria e participação como oficineiro no Internacional Samba Congress de Los Angeles (USA). Formado pela Universidade do Amazonas (UEA) e Mestrando do curso Dança na Universidade Federal da Bahia (UFBA).
 
Recentemente, o artista conquistou premiação no Festival de Dança de Joinville na categoria Danças Populares e desenvolve uma pesquisa profunda das danças populares do Norte do Brasil, além de ser o atual coreografo da ASSOCIACAO FOLCLORICA BOI BUMBA GARANTIDO e Membro do CIOFF – Conselho Internacional de Organizações de Festivais de Folclore e Artes Tradicionais.
 
Além disso, ele soma participações no Festival Folclórico de Parintins, pelo Boi Caprichoso como coreografo, o Festival de Dança do Amazonas e participou de várias apresentações ao lado de artistas como James Rios, Márcia Siqueira, Klinger Araújo (In Memoriam), Encanto Vermelho e Paulinho Faria, Marcia Novo, Zezinho Correa (In Memoriam), Lucilene Castro e David Assayag. O artista vem desenvolvendo a Oficina Boi de Quilombo trabalho este voltado a cultura popular que conquistou o Nordeste passando por cidades como Fortaleza, Maracanaú, Joao Pessoa e Recife.
você pode gostar também