Criança abandonada por avó é encontrada por vizinhos comendo as próprias fezes em Manaus

Local onde a criança estava era sujo e com materiais que poderiam machucá-la; ela não tinha sequer água Foto: Divulgação / PM

Uma menina de cinco anos, mantida sozinha e presa em casa, comeu as próprias fezes para se alimentar, após ter ficado dois dias sem água e comida, na zona leste de Manaus. A criança foi encontrada por vizinhos, na manhã do último sábado. As informações são do soldado da 30ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), Temilson Aguiar.

A criança morava com a avó e o companheiro dela, no bairro Jorge Teixeira 4.  

Por volta das 11h da manhã de sábado, vizinhos ouviram o choro da menina e decidiram arrombar a porta da casa, já que eles não viram nenhuma pessoa entrar na residência por dois dias.

“Quando entraram, era uma criança que estava ali, dentro do quarto, presa, em cima de um papelão. Ela estava comendo as próprias fezes dela, sem água, sem nada”, informou o soldado Aguiar. Nas imagens repassadas pela Polícia Militar, é possível ver que a menina estava em um local sujo, com diversos objetos que poderiam machucá-la, como pedaços de telha.

Os vizinhos acionaram o Conselho Tutelar e a Polícia Militar. A criança foi levada ao Pronto-Socorro da Criança da Zona Leste, o Joãozinho, onde permanecia sob cuidados médicos até o fechamento desta matéria.

Na mesma noite de sábado, foi aberto um inquérito policial na Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), para investigar o caso por cárcere privado e abandono de incapaz.

Os policiais militares deixaram o telefone para contato com os vizinhos e pediram que informassem quando os responsáveis pela criança aparecessem na casa. A avó e o companheiro dela apareceram por volta das 13h deste domingo.

Segundo o policial, o casal não demonstrou preocupação com a criança. Eles informaram, aos policiais, que acreditavam que a casa havia sido roubada.

Casal vai responder em liberdade

A avó da menina  e o companheiro dela, irão responder em liberdade por abandono de incapaz e cárcere privado. Eles foram ouvidos no início da noite deste domingo, na Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca).

Segundo a delegada plantonista, Joyce Coelho Viana, o casal foi indiciado também por cárcere privado porque a porta do cubículo onde a criança foi encontrada estava trancada com uma corrente por fora, impedindo a menor de sair e pedir socorro.

Ainda de acordo com a delegada, em depoimento, o casal reconheceu que saiu para beber e deixou a criança sozinha em casa. “A avó biológica disse que algumas vezes a deixava só e que colocava apenas um pano no chão para a criança deitar”, informou a delegada.

À reportagem, no entanto, o casal negou que tenha ido beber. O companheiro da avó da criança afirmou que eles haviam ido para a feira, depois para a casa da mãe dele e, por fim, para a casa de uma amiga do casal, retornando apenas neste domingo. “Eu ainda disse para a gente levar a menina, ou então deixar na casa da filha dela, mas ela disse que não”, afirmou o homem, de 49 anos. Ele já responde a um processo por violência doméstica, e disse que quando dava opinião sobre algo na criação da menina, era repreendido e ameaçado. “Ela dizia que a menina era neta dela e que eu não tinha nada a ver com isso, e ainda me ameaçava, dizendo que ia chamar a juíza para me mandar para a cadeia”, relatou.

O casal afirmou, ainda, que cuidava da criança porque a mãe da garota era usuária de drogas e havia perdido o direito de cuidar da filha. Eles afirmaram que a menina havia comido pela manhã, antes deles deixarem a casa.

A avó da menina, de 44 anos, disse, em entrevista, que esta foi a primeira vez que deixou a criança sozinha, contrariando sua declaração durante depoimento. Questionada sobre o motivo para ter deixado a criança em casa, ela desconversou. “Não sei nem explicar direito”, disse ela, que ainda foi criticada pelo companheiro. “Olha aí a complicação que tu me meteu”, disse ele para a mulher.

Fonte: Dez Minutos

você pode gostar também