Cultura amazonense e resistência das minorias foram temas discutidas por escritores na Biblioteca Municipal Cultura

Gilson Almeida | 24 Horas

[email protected]

Parintins (AM) – Na noite do último sábado (18) os escritores Yaguarê Yamã, Wilson Nogueira, Basílio Tenório, Aurélio Silva, Alfredo Saunier, Venicio Garcia e o compositor Adriano Aguiar participaram de uma roda de conversa realizada na Biblioteca Municipal Tonzinho Saunier onde foi discutido sobre literatura, arte e cultura amazonense, resistência das minorias e causa indígena.

O evento nomeado como “Roda de conversa: culturas, essências de Parintins na riqueza e expansão do poderio cultural na Amazônia” foi organizado pelo grupo literário Yamã.

O indígena Yaguarê Yamã, 44, pentecente a etnia Maraguá, foi um dos organizadores do encontro e conta que deseja que seja realizado outras rodas de conversas. “Parintins é um berço de civilização muito bonita e isso tem que ser valorizada e lembrada. Às autoridades de Parintins vamos realmente fazer acontecer e não um grupo de pessoas dominando o assunto, mas sim popularizar essa roda de conversa”, destacou o escritor.

O jornalista, sociólogo, escritor e Doutor em Sociedade e Cultura, Wilson Nogueira, pontua que o encontro foi uma oportunidade do escritor ver como a sua obra foi recebida pelo leitor. “Precisamos conversar mais não só os escritores, mas principalmente o escritor com os leitores. Eu participo da ideia que vi pela primeira vez com o professor Humberto Eco em que ele diz que uma obra só se completa a partir do momento que ela é lida e ao mesmo tempo refeita pelo leitor”, disse Nogueira.

Alfredo Saunier, filho do escritor Tonzinho Saunier, anunciou que está montando uma biblioteca humanitária em parceria com a Associação dos Moradores do Bairro Itaúna 2. “Quem tiver livros que não queira mais por favor doe para a Associação dos Moradores do Itaúna 2 ou deixe aqui na Biblioteca Municipal Tonzinho Saunier”, falou.

Saunier pretende inaugurar a biblioteca humanitária logo após o carnaval e afirma que já tem 1000 livros no acervo.

A roda de conversa contou com a presença de professores, estudantes e do público geral.

Além do debate foi realizado também apresentação musical com artistas da região.

você pode gostar também