-Publi-A-

De curumim da Baixa a ídolo encarnado: Israel Paulain – 15 anos de sucesso, vitórias e conquistas.

Israel Paulain completa 15 anos como apresentador do Garantido.

Quis o destino caprichar tornando-o Garantido e conquistando os corações da Baixa do São José. O curumim que nasceu em berço azul, ganhou o mundo com seu talento, paixão e profissionalismo. Escrevendo, assim, o seu nome na história do Festival.

Sinny Lopes | 24 horas

[email protected]

Parintins (AM) – Israel Alexandre Muniz Paulain, cantor, comunicador, compositor, bacharel em direito, político e apresentador do Boi-Bumbá Garantido ou somente: Israel Paulain.

Curumim que nasceu, no dia 23 de dezembro de 1982, para fazer e ser a própria história dentro do Festival Folclórico de Parintins. Predestinado a ser vitorioso, venceu o forte amor da família pelo boi de estrela na testa, o Boi Caprichoso, e assumiu seu amor ao boi do seu coração: o Garantido. Nascido em uma família azuladíssima, tendo como pai um dos maiores compositores da Francesa e do Palmares que compôs o hino da Nação Azul e Branca, Carlos Paulain, e da educadora coruja, D. Regina, desde os primeiros minutos de vida foi “consagrado” ao garrote de Lindolfo Monteverde.

Teve a dificílima missão de substituir um verdadeiro mito não só da Baixa do São José, como também do próprio festival: Paulinho Faria, o “Garotinho de Ouro” que fez de seu discípulo sua imagem e semelhança e tal qual eterniza seu nome no reduto encarnado e nos corações perrechés.

A partir desse momento tenho a honra e o privilégio de entrevistar Israel Paulain que este ano comemora 15 anos a frente do Boi Garantido sendo o porta-voz da galera vermelha e branca e seu mestre de cerimônia.

  1. Israel, como é ser a “ovelha rubra” da família?

Acaba sendo um privilégio, por ter da minha família reciprocamente o respeito, o amor e a admiração todos os dias.

  1. Quem são os culpados por você “trair” sua família azulada?

Não usaria a palavra trair, e sim “não seguir” rs, mas os incentivadores nos meus primeiros passos de vida no Boi Garantido, foram meus tios Salomão Cohen e Aldete Paulain, irmã de meu pai, inclusive faço questão de registrar que, minutos depois que nasci, a primeira camisetinha colocada em mim foi vermelha e pela tia Aldete, sendo assim afirmo que meu destino já nasceu Garantido rs. Incluo também como incentivadores o querido amigo de meus pais Sergio Corrêa o popular Torrado do Banco do Brasil de Nhamundá (in memoriam), assim como as comadres Tias e irmãs Sol e Esther Cohen, estendendo à Lanchinha e Maria Célia Valente, que confeccionavam minha roupa da batucada, e me conduziam ao Bumbódomo onde orgulhosamente brincava na linha de frente desde a sua inauguração em 1988.

  1. Você quando curumim, ainda na escola, chamou a atenção de Paulinho Faria que fez de você seu aprendiz e sucesso. Você já era danado naquele tempo?

Costumo dizer que sempre fui ativo, destemido, não tinha vergonha de falar em público, e na gíria do nosso povo da baixa enxerido, e sempre gostei de música, de comunicação, apresentação de programas de rádio, locução de propaganda volante que fazia com meu pai, e de eventos culturais pelas escolas que passei. Minha paixão e admiração pelo Garantido e pelo Paulinho Faria vem literalmente de berço.

  1. Como foi ser treinado pelo maior apresentador de toda a história do Festival e como foi ter a missão de substituí-lo?

Uma honra pra eu ter sido preparado desde criança pelo meu maior ídolo, idolatrado por toda a nossa nação vermelha e branca, e assim poder dar continuidade a esse legado de identidade profunda com a história do nosso boi, proporcionando grandes vitórias ao longo desses festivais.

  1. A missão lhe assustava?

Na verdade a missão me motivava, mesmo sabendo da grande responsabilidade de substituir o precursor do item apresentador, ícone do nosso boi e do festival de Parintins. Gosto de desafio, e o encaro com muita determinação e humildade.

  1. Quando e como foi que você recebeu a noticia de que seria o novo apresentador do Boi Garantido?

Foi dia 30 de junho de 2001, na última noite do festival, Paulinho se despediu do item na arena e o presidente na época, Antônio Andrade na concentração do Bumbódromo me disse, “você será nosso apresentador a partir do ano que vem”, e em 2002 assinei meu primeiro contrato como item oficial, estreei dia 28 de junho daquele ano, realizando um sonho de criança.

  1. Qual foi a reação e a recepção da galera vermelha e branca? Você enfrentou resistência?

Como já fazia a animação da galera e a chamada do nosso apresentador Paulinho Faria no Bumbódomo desde 1995, a galera já estava acostumada comigo, me incentivava e aprovava no futuro breve, a previsível mudança neste item histórico. Evidentemente que toda mudança, gera uma desconfiança, ainda mais se tratando de um item diferenciado e consagrado, porém acabou sendo tudo feito de forma natural e com resultado positivo, onde com muita humildade, tive a felicidade de já estrear campeão no meu item e tetra campeão do festival folclórico em 2002.

  1. Quando se deu a sua estreia na arena?

Como brincante da batucada em 1988 na inauguração do Bumbódomo, como locutor do boi, em 30 de junho de 1995, e como Apresentador Oficial em 28 de junho de 2002.

  1. O que você sentiu quando pisou na arena não mais como Israel Paulain o curumim que chamava o apresentador Paulinho Faria e sim como o próprio apresentador do Boi Garantido?

Uma emoção indescritível e que jamais esquecerei, a realização de um sonho de criança.

  1. Nesses 15 anos seu histórico é admirável, corrija-me se estou errado: você só perdeu dois anos neste período?

Sim. E fico muito lisonjeado de poder fazer parte da história do meu amado Boi Garantido, mantendo a tradição e inovando no item, tendo contribuído com grandes vitórias ao longo desses 15 anos, e espero humildemente continuar somando por alguns anos na apresentação do meu amado boi.

  1. Como era disputar contra o próprio irmão?

O desafio mais complexo da minha vida, pela forte relação de amizade e irmandade que tinha e tenho com meu amado mano Jr. Paulain, um adversário dificílimo de combater, ele é um talento nato, em minha opinião, o melhor apresentador até hoje da história do contrário.

  1. O sofrimento dos teus pais [Carlos e Regina] é sabido. Como eles administravam esta situação difícil?

Com extrema habilidade e sensibilidade, porém com muito sofrimento, afinal eram seus dois filhos disputando diretamente o mesmo item, em bois diferentes. Afirmo com propriedade: sempre foi muito difícil para eles e para todos nós, encarar tudo isso, exatamente pela nossa afinidade e união familiar. Meus pais são meus exemplos nesta vida.

  1. O amor familiar é uma das maiores características de sua família, tanto dos teus pais para com você e vice-versa. O que eles significam na sua vida e em sua trajetória?

Minha família representa propriamente a minha história de vida abençoada por Deus.

  1. Amor maior do que pelos seus pais é o amor pelos seus irmãos, Gabriela e Jr. Paulain, semelhante aos dos seus filhos. Eles são, de certo modo, seus filhos mais velhos?

 Sim, eles são meus amados leais amigos irmãos e filhos mais velhos para a eternidade.

  1. Completando 15 anos de apresentador, consagrado, respeitado, amado e vencedor ainda falta algo mais para ser conquistado?

Sou um soldado do meu boi e com ele estou e estarei para sempre, à disposição para contribuir aonde for. Acredito que Deus me responderá e mostrará se algo estiver faltando e ao mesmo tempo me conduzirá ao êxito, se assim achar melhor para a minha trajetória.

  1. Qual o momento mais difícil e o mais feliz durante esses 15 anos?

No geral tive poucos momentos ruins, dentre eles cito o ano de 2003 em meu segundo festival como apresentador, foi um ano estanho, com certas instabilidades dentro do boi e que acabaram prejudicando nosso espetáculo na arena. Agora sou muito grato a Deus por já ter vivido momentos memoráveis ao longo desses 15 anos, dentre eles, destaco 2006 como o ano da inovação e da consagração, onde tive a felicidade e a luz divina de introduzir um novo formato de apresentação para o item, eliminando as fichas e implantando o teatro diretamente no Apresentador, com textos memorizados e interpretados com familiaridade, consolidando ainda mais o seu domínio do espetáculo. Exemplifico a figura típica regional do regatão daquele ano, como marco para esse pioneirismo no festival. Em 2006 nos sagramos tricampeões.

  1. Você ainda fica nervoso antes de entrar naquela arena?

Fico sim, e o frio na barriga não pode deixar de acontecer, se não perde a graça, exatamente para que quando adentre a arena o êxito seja alcançado. Deus tem me abençoado grandiosamente e com muita humildade acima de tudo, tenho obtido ótimos resultados ao longo de minha carreira.

  1. Uma vez o [Antônio] Pacheco me revelou que você tinha as três noites na parede do seu quarto e, também, no camarim do Bumbódromo divididas em A, B e C. Como você se prepara para as três noites do festival, visto que você revolucionou o modo de apresentar sem o uso de ficha?

Na verdade nunca fiz curso de teatro. Agradeço a Deus por ter me dado o esse dom da absorção e formatação de ideias desde os meus tempos de escola, e quando fui chamado pela comissão de artes em 2006, aceitei o desafio e com muito empenho e humildade, consegui trazer para o festival, um novo formato de apresentação, eliminando as fichas e introduzindo no espetáculo o apresentador ator, explorando a cênica teatral, com textos interpretativos memorizados e narrados com extrema peculiaridade. Esse método de colocar os textos na parede é de fixação mais aprofundada, e particularmente adotei para eu ter ainda mais intimidade diariamente com as histórias que irei contar naquele determinado festival. Coisa de tara mesmo. (Rs). Vou dar uma cutucada pra não perder o costume, no espírito da intensa rivalidade: “Para de copiar contrário”!!! (Rs)

  1. Há um momento que, em particular, mostra a sua genialidade como item que detém o domínio absoluto da galera: primeira noite de 2009 entra sozinho na arena afirmando que “somos perrechés, somos pávulos, somos enxeridos, somos alagados, sim e com orgulho, somos da Baixa do São Jose e temos a alma de guerreiro”. Em seguida, senta-se no chão da arena e puxa um coro de mais de 30 mil vozes. Eu costumo dizer que ali vocês venceram aquele festival, logo nos primeiros 10 minutos de apresentação?

Tudo saiu de mim aquela noite dos benditos 10 minutos iniciais, sem planejar, espontâneo, veio uma inspiração de Deus e aconteceu tudo aquilo que inclusive surpreendeu a comissão de artes, que havia me passado um roteiro mais enxuto para aquele momento. O resultado foi além do esperado, mostrando que a nossa marca da simplicidade e da emoção fazem a diferença sempre.

  1. Porque nós [azuis] estávamos embalados com o bicampeonato, passamos a temporada toda zombando e tirando sarro da enchente da baixa que obrigou os artistas a fizeram o boi na rua e os ensaios nas praças imaginaram um boi pequeno, fácil de ser abatido e do nada foi surgindo um boi que não se viu nas praças. Onde vocês esconderam o jogo… Aquelas alegorias?

O Garantido ao longo de sua trajetória de conquistas, sempre foi e é um boi genuinamente surpreendente, essa é a nossa característica, e quando mais parece que tudo está caminhando para dar errado, vem de forma impactante um espetáculo grandioso e vitorioso de todos os artistas e da nossa nação, que na superação, conduzimos juntos o nosso boi ao título emocionante de 2009, ano que subitamente veio de dentro de mim, sem nada previamente imaginado, vendo a vibração extasiante da minha galera, a palavra INIGUALÁVEL, como símbolo do povão nas arquibancadas do Bumbódromo, que acabou se tornando uma marca nossa ao longo de todos esses festivais.

  1. Você é uma unanimidade dentro do Boi Garantido, a que você atribui esta condição?

Não me considero uma unanimidade, porém tenho consciência de que construí uma sólida história com muita dedicação, amor, garra, entrega e acima de tudo humildade ao longo desses 15 anos, me levando a uma total identidade com o meu Boi Garantido e com a minha inigualável galera encarnada.

  1. Você tem alguma mania e/ou ritual antes de entrar na arena, ou antes, de fazer um show? Tirando aquela da garrafinha de água mineral [risos do cretino colunista]?

[risos] Fora a da garrafinha seca de água mineral para outro fim rs. Faço uma prece intrínseca, conversando comigo mesmo e com Deus para que tudo dê certo naquela respectiva missão. A fé move o meu coração!

  1. Você encararia mais 15 anos ou já pensa em preparar sua saída? Quais são os seus planos: dedicar-se a carreira política, por exemplo?

Acredito que ainda posso contribuir por mais alguns anos como apresentador do meu amado boi, função que nada interfere na realização de outros projetos, como a carreira política hoje no município que comecei a minha história que é Nhamundá, a terra das Icamiabas.

  1. Você toparia e/ou já pensou em presidir o Boi Garantido?

Acredito que todo sócio torcedor, pensa um dia em presidi-lo, e pela minha história e identificação com o meu boi, quem sabe poderei contribuir nesta função no futuro. Disposição não faltará. Entrego nas mãos de Deus a realização ou não dessa missão.

  1. Uma toada que te define enquanto item e torcedor?

ALMA RUBRA

  1. O resultado de 2015 foi um aprendizado, já que você poucas vezes soube o que é perder em seu item?

Acredito que não deixou de ser uma grande aprendizagem, mesmo com toda a lamentável armação que foi feita por pessoas ligadas ao contrário, e por sinal tudo revelado ao público, colocando em descrédito o resultado do festival. Fora essa covardia, eu prezo pela reciclagem constante, e nunca estou satisfeito com o que faço sempre penso que posso fazer melhor, por isso não me acomodo e com muita humildade, trabalho dedicadamente para me aprimorar em tudo que puder, independente do tempo de carreira e da experiência adquirida ao longo de todos esses festivais.

  1. Como você ver a atual situação do festival?

Economicamente muito crítica, a pior de todos os tempos, uma verdadeira covardia com a nossa identidade cultural, mesmo com tudo isso, tenho certeza que nós todos unidos, faremos um festival histórico em 2016. Agora daí para frente será preciso uma extrema e imediata reorganização em todos os segmentos, para não vermos a nossa cultura sucumbir.

  1. Ping-ping:

 Boi Garantido.

– Amor Eternizado.

Baixa do São José.

– Minha essência

 Parintins.

– Gratidão

Família.

– Razão da minha vida

Um sonho.

– Ver meus filhos vitoriosos na vida.

Um desejo .

– Ter saúde plena sempre.

  1. O que a galera vermelha e branca pode esperar de seu apresentador este ano?

Um apresentador torcedor apaixonado assumidamente que sou como sempre se entregando de corpo e alma ao nosso espetáculo Celebração, com a emoção à flor da pele intensamente, com grandes surpresas, que com as bênçãos de Deus e da avaliação dos jurados, será vitorioso.

Israel quero te agradecer pela entrevista em uma data tão especial de sua vida, eu que lhe conheço e te acompanho deste a sua estreia, vi você construir seu nome, fiz parte da sua equipe de trabalho nos anos 2003/2004. Fico muito feliz pelo ícone que você se transformou, tornando-se referência em seu item. Desejo-te a cada dia mais e mais sucesso e…

israel 3

israel 15 anos

irarael e familia

israel trabalho

Apresentação1

você pode gostar também