Detento é encontrado morto dentro de unidade prisional em Manaus

Vista aérea do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus — Foto: Luana Borba/Rede Amazônica

Um detento de 29 anos foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira (2) dentro do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), localizado no km 08 da BR-174 (Manaus-Boa Vista), Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). A unidade prisional é mesma onde ocorreram dois massacres, em 2017 e 2019.

A causa morte não foi divulgada pelo governo. Segundo o órgão, a vítima cumpria pena por roubo desde 2016.

A morte do detento ocorreu dez dias após a tropa de agentes da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária deixar o sistema prisional. O grupo chegou em Manaus dias após o massacre que resultou na morte de 55 detentos em quatro unidades prisionais da capital.

Após quase 90 dias de intervenção externa, o Estado não pediu uma cedência no prazo de permanência do reforço federal por entender que não ‘não há necessidade’, segundo o secretário de administração penitenciária, coronel Marcus Vinicius.

O Governo Estadual, no entanto, chegou a cogitar um pedido de renovar o apoio. A ideia foi descartada após uma reunião do governador Wilson Lima com o titular da Seap.

O massacre de 2019

O Compaj é uma das quatro cadeias palco de massacre que resultado na morte de 55 presos entre os dias 26 e 27 de maio.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, a maioria das vítimas morreu de asfixia ou golpeada por objeto perfurante. O massacre foi o segundo ocorrido no Amazonas em menos de 3 anos.

Os confrontos ocorreram por causa de uma briga de poder dentro da Família do Norte (FDN), que age nos presídios do Norte e Nordeste do país e domina a rota do tráfico no rio Solimões, segundo o juiz Glen Machado, titular da Vara de Execução Penal.

Com informações do g1

você pode gostar também