Diretora do Jofre Cohen alerta para sobrecarga do hospital com 50 pacientes e luta incessante contra a Covid-19  

Foto: Divulgação

Da Redação Parintins 24 Horas
Parintins (AM) – Nem mesmo o crescimento de casos positivos, novos óbitos e aumento espantoso da ocupação de leito de hospital por pacientes com Covid-19 consegue frear a situação de normalidade vivenciada no segundo maior município do Amazonas. As medidas de flexibilização, adotadas podem sofrer retrocesso, para barrar o índice de contaminação da doença, em Parintins.

O Comitê Municipal de Combate ao Novo Coronavírus vai avaliar o comportamento social da população e dados de internações, principalmente do grupo de risc, para tomada de decisões, no dia 08 de setembro. A diretora do Hospital Jofre Cohen, Joseane Mascarenhas, lamenta que a população tenha se despreocupado e menosprezado ‘um vírus mortal’.

“Impressionante como os novos casos, óbitos e a taxa de ocupação de leitos no hospital não causa mais espanto à quase ninguém. Infelizmente, após a procura por testes e atendimentos, a culpa da sobrecarga recai aos que estão no front de batalha. Não podemos reclamar, apenas temos que aceitar, que pessoas que não seguem a risca os decretos, as orientações da equipe multidisciplinar,  falem o que pensam, gritem suas dores, porque não querem esperar para ser atendido ou seguir os protocolos médicos” desabafou Joseane Mascarenhas.
Desde a segunda quinzena do mês de julho, Parintins adotou medidas de flexibilização para a reabertura da economia do município e redução do horário toque de recolher, conforme a diminuição significativa de internações hospitalares. No entanto, o final do mês de agosto e o início de setembro estão com números alarmantes da gravidade da doença, com um total de 50 pacientes internados neste domingo (06).

“Mas temos que lembrar, nunca esquecer, temos o livre  arbítrio. E é exatamente por causa do livre  arbítrio que as praias estão cheias, embarcações lotadas para a zona rural, balneários, casas de amigos, churrascos, bebidas. Locais que deveriam ser evitados, mas não estão sendo. E a conversa rola solta, altas gargalhadas, bebidas: prato cheio para o coronavirus”, avalia a diretora do Hospital Jofre Cohen, que é referência no tratamento da doença no interior do Amazonas.
No comando da unidade de saúde de alta complexidade, Joseane Mascarenhas lembra que, após alguns dias, todos correm para os hospitais, procuram testes, medicações. “E os profissionais de saúde cansados, exauridos e esgotados de atender dia a dia, pessoas que poderiam, sim, ter evitado a contaminação. Todos devem estar sorridente, dispostos para atender a todos, sem reclamar. Ninguém se coloca no lugar do próximo. Sejamos mais responsáveis consigo mesmos, mais humanos”, pontua.
A diretora explica que a contaminação das pessoas é causada por quem não segue as orientações de uso adequado de máscara, esqueceu de lavar as mãos e de utilizar álcool para higienização, por exemplo. “Não culpe, quem trabalha para cuidar da sua saúde. Não culpe uma gestão que trabalha diuturnamente para nada faltar. Não culpe o prefeito, que  só  pensa em salvar vidas. Culpe quem não quer se cuidar. Muitas famílias choram suas perdas. Sejamos conscientes e responsáveis. Cuidem de vocês para que possamos cuidar de todos”, declara.
Joseane Mascarenhas pede que respeitem os profissionais de saúde, preparados e empenhados para salvar vidas no Hospital Jofre Cohen. “Antes de criticar, se coloquem no nosso lugar. Vocês gostariam de trabalhar nesse lugar, em plena pandemia? Ou estariam escondidos em casa, com medo de se contaminarem no hospital? Saibam todos que nosso índice de contaminação, entre profissionais de saúde, é muito baixo, se comparado aos outros locais. Pensamos e preservamos a vida do profissional de saúde. Lembre-se ainda que os municípios vizinhos mandam tudo para cá. Mesmo recebendo seus recursos, não investiram na saúde”, sinaliza.
você pode gostar também