Durante show da turnê ‘Nossa história’ em Manaus, Sandy e Junior pedem defesa da Amazônia

A paixão do público por Sandy e Júnior faz sorrir e chorar aqueles que vivenciam seus shows. E nesta sexta-feira (13), durante uma apresentação em Manaus, não foi diferente. Faixas, blusas com trechos de músicas e a energia aplicada em cada canção mostraram que a admiração dos fãs pela dupla pode sim ser imortal. Na capital do Amazonas, a dupla aproveitou, ainda, para chamar a atenção para a preservação da Amazônia.

“Que lindo ver que todo mundo aqui se importa com nosso planeta, com nossa Amazônia. Ela é nossa, ela é de todos nós. A natureza é nossa. O planeta é nosso. Então, vamos cuidar dele direitinho”, disse Sandy. “Cabe a todos nós. A mudança está dentro da gente”, completou o irmão. O alerta ocorreu durante a música “Libertar”. Balões verdes, distribuído no show, foram surpresa de um fã-clube. O alerta ocorre no momento em que a região enfrenta recorde de focos de calor e queimadas.

Após uma pausa de 12 anos, que impulsionou a carreira solo dos irmãos, “Nossa História” surge com a proposta de recordar lembranças para aqueles que acompanharam os 17 anos de carreira da dupla. Com a pré-venda de ingressos iniciada ainda em abril, a turnê chegou oficialmente a Manaus às 18h, com a abertura dos portões.

Como em uma reunião de amigos, pequenos grupos se reuniram e sentaram próximo ao palco para aguardar o início da apresentação. Para dar ao público uma amostra do que estava por vir, vídeos de Sandy e Júnior passaram a ser exibidos nos telões, dando início à contagem regressiva.

As imagens mostravam os cantores ainda na infância, durante pequenas brincadeiras e até ensaios com um violão.

Flashes com a trajetória da dupla na música serviram como pano de fundo e estopim para o show, iniciado às 21h35, sob a luz do luar. De lados opostos do palco, ambos se aproximaram lentamente e, em seguida, deram as mãos.

Na voz de Sandy, “Não dá pra não pensar” abriu o setlist, seguida de “Nada vai me sufocar”.

Mostrando que ainda estão a todo o vapor, a cantora e o irmão acompanharam as coreografias dos bailarinos em vários momentos.

Para alguns fãs de sorte, a turnê proporcionou também objetos únicos, como duas palhetas e uma baqueta – que foram usadas por Júnior e jogadas para a plateia ainda durante o show. O cantor apresentou ainda um solo de bateria, que durou cerca de cinco minutos.

Ao fazer a famosa selfie do show, a dupla aproveitou para registrar um bandeirão que foi estendido junto ao palco com a frase: “Sandy e Júnior, obrigado por fazer parte da nossa história”. Muitos não puderam conter as lágrimas, que ficaram mais evidentes quando a dupla sentou no palco para entoar uma série de canções, somente em voz e violão.

O momento serviu também para uma breve conversa. Sandy explicou para os fãs qual o critério usado para escolher parte do repertório do show.

“Quando a gente tinha três e dois anos de idade, a gente sentava no tapete da sala da nossa casa, com nosso pai, enquanto ele tocava violão para a gente cantar. Então, isso aqui é a nossa história. E a gente queria passar então por outras músicas, de outras fases, que acabaram ficando de fora do repertório porque não cabia tudo. E a gente queria fazer isso com vocês. Só o violão, a nossa voz e a voz de vocês”, disse.

Sandy e Júnior ainda fugiram do setlist interpretado na beira do palco ao cantar a música “Encanto”, tocada pela primeira vez na turnê de retorno aos palcos.

Sucessos como “Quando você passa” e “Desperdiçou” também foram relembrados durante o show e, às 23h40 – sob uma chuva de confetes – os irmãos cantaram “Vamo Pulá” para fechar a apresentação, que durou mais de duas horas.

Apesar da pausa de 12 anos na carreira, os fãs afirmam que o amor por Sandy e Júnior é imortal e, consequentemente, não morre no final de um show.

“Eu não cantava as músicas há anos, mas nossa memória é tão incrível que eu lembrava de todas as letras. Eu senti como se eles nunca tivessem se separado, como se eu tivesse voltado no tempo. São lembranças que eu vou levar para o resto da vida”, comentou a contadora Suelen Ventura, de 34 anos.

“Algumas coisas marcam nossa vida sem a gente perceber, como a música. E Sandy e Júnior se encaixam muito bem nisso. Ontem, hoje e sempre ele vão estar nas nossas memórias e nas histórias de muita gente que ainda pode conhecer o trabalho deles. É magnífico”, afirmou a estudante Eliana Maquiné, de 30 anos.

De Manaus, a dupla segue para Belém onde realiza um show neste sábado (14). A turnê “Nossa História” encerra no dia 9 de novembro, no Rio de Janeiro.

Com informações do g1

fotos: Rickardo Marques

você pode gostar também