-Publi-A-

ELEIÇÃO

Vamos ter eleição para prefeitos e vereadores. Obviamente que esta deveria ser a eleição mais importante a ser realizada, considerando-se que, os seres nos quais votaremos e as vezes até o  elegeremos estão próximos de nós e alguns deles são até amigos nossos.

Além do mais, os acontecimentos macros e micros sobre denúncias por todo país deveria fazer o eleitor ter os olhos voltados para a coletividade.

Tenho caminhado bastante por nossa cidade (não sou candidato ) e fico maravilhado com a sinceridade dos eleitores quando dizem da difícil situação que estão passando assim como do descrédito junto aos políticos. A maioria das pessoas acham que todos os políticos são safados. No entanto quando questiona-se o por que não mudar? A resposta muitas vezes torna-se um vazio e a desculpa sempre é dada como – qualquer um que for pra lá vai pra roubar.

Acredito que estamos próximos ao final de um poço. E cabe a nós, a cada um de nós, seres viventes nesta nação buscar a mudança futura nos caminhos políticos. Precisamos modificar o panorama de comparação com outras nações. Se outros souberam mudar, nós também podemos. Nós somos capazes! Nós temos poderes. Nós somos inteligentes para avaliar. Estou começando a implorar por uma reflexão.

Sei que as pessoas que lerão este artigo não são o total dos quais eu gostaria de alcançar, mas sei também, que são pessoas que acompanham a política local e nacional; são pessoas com capacidade de reflexão para mudar o paradigma do que temos feito através dos anos, são pessoas críticas do que é o correto, são pessoas que sabem discernir  o que chamamos de bem  e de mal. Entendemos que muitas são as necessidades de cada ser, mas entendemos também que, quando tornamos as necessidades dos outros iguais às nossas, então, começamos a ver que temos um horizonte a ser alcançado. Um horizonte no qual possamos nos ver não como uma imagem no espelho, mas sim, como nós próprios. Isto não é comunismo, não é socialismo, não é capitalismo, não é anarquismo, ou seja lá que definição queiram atribuir. Isto é ser, ser humano. Isto é ver a vida dentro de um contexto de que, o que eu desejo é o que todos desejam. É vida, é amor, é respeito e dignidade.

Chega desta política da troca, do parecer bonzinho, da plena hipocrisia. Sejamos nós mesmos. A transformação começa em cada um de nós.

Vamos voltar a realidade. Todos sabemos que é nos municípios que vivem os eleitores, nos municípios que geramos a riqueza, somos a base de tudo, inclusive para eleger deputados, senadores, governadores e presidente, logo, nós somos a base da sustentação de tudo. Alguém pode dizer que o dinheiro vem de fora. Mentira! bois sem o primário não existe o secundário e nem o terciário. Repito, sem base nada se sustenta.

No nosso município – Parintins – estão sendo anunciados  vários nomes para disputar o pleito; e pelo andar das individualidades temos pelo menos seis nomes para disputar o voto de 60.000 eleitores, para o executivo e, observem que todos estão se movimentando. Todos estão procurando os eleitores para pedir seus votos, não está sendo diferente com os candidatos a vereadores.

Muitos são os que visitarão vossas casas, que farão festas em vossos quintais, que darão bolas e jogos de camisa. Todas as eleições as ocorrências são as mesmas, pois durante o exercício do mandato nenhum tem tempo, já que trabalham muito, fazem muitos projetos; há uma dedicação exclusiva, fica difícil até de vê-los. Isto é o que todos dizem após serem eleitos.

Todos os candidatos ao cargo majoritário deverão ter programas de rádio para que sejam mais conhecidos, os que não tem programa pagam para alguém substituí-lo e trabalhar em seu nome. Alguns farão acusações sobre outros, haverá uma guerra de acusações, com provas e sem provas. Mentiras e verdades serão lançadas e todos serão caluniados, pois, todos são inocentes e este é um modelo maldito que tem dado certo nas eleições, e continuará até que aqueles que são eleitores acabem com essa palhaçada. É aqui que o eleitor deve buscar diferenciar, quais os que mandarão moedas de troca para suas casas. E quais apresentarão propostas para cidade.

Como já escrevi em outros artigos, somos guiados pelo emocional, pela plástica, pelo tom de voz mais eloquente, pelo que demonstra mais empatia e por isso todos querem brincar com os eleitores.

Então, alguém me pergunta: O que devemos fazer? E eu respondo com simplicidade. Todos somos capazes de ver quem são os verdadeiros, através das propostas menos mirabolantes. Temos capacidade de saber quem realmente quer fazer, não por si, mas por todos. Do mais necessitado ao menos necessitado. Claro! pois ele será representante do todo. A nós, caberá conhecer a nossa parte e fazer corretamente. Todos podemos errar. Mas só podemos errar tentando acertar e não pelo prazer da desgraça alheia.

você pode gostar também