Em Parintins, internos da Unidade Prisional participam do curso de Implantação e Manejo da Olericultura

O programa de ressocialização Trabalhando a Liberdade continua avançando com cursos de capacitação profissional para os municípios do interior do Amazonas. Desta vez, 11 internos da Unidade Prisional de Parintins (UPPIN), no município situado a 369 quilômetros de Manaus, iniciaram o primeiro curso de Implantação e Manejo da Olericultura, com a finalidade de profissionalizá-los para trabalharem após o cumprimento de suas penas.

A capacitação está sendo promovida pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), em parceria com o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam) e a Secretaria Municipal de Produção de Parintins.

O curso teve início nesta semana e tem previsão de encerramento somente em janeiro de 2022. A atividade soma 80 horas, com a entrega de certificados reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC), após a conclusão.

Durante as aulas, que estão divididas entre práticas e teóricas, os reeducandos aprenderão a preparar o solo para a plantação, adubação, bem como o cuidado com as pragas e doenças e por fim, a cultivar as olerícolas. As atividades práticas serão ministradas na própria unidade, por meio de trabalhos no local.

Segundo o diretor da UPPIN, Aluizio Cerdeira, o curso tem grande relevância, em virtude de que os reeducandos sairão com uma qualificação certificada após deixarem o sistema prisional e conseguir uma vaga no mercado de trabalho.

“Eles também aprenderão a produzir o seu próprio sustento com todas as técnicas de implantação e manejo de olericultura, adquiridas durante as atividades”, disse Cerdeira.

De acordo com a chefa do Departamento de Reintegração Social e Capacitação (Deresc) da Seap, Keyla Prado, esses cursos no sistema prisional promovem mais perspectivas de ressocialização dos detentos.

“Ofertar esses cursos e oportunidades para a reintegração dos reeducandos à sociedade é o principal objetivo da atual gestão da Seap”, comentou.

O reeducando Gabriel (nome fictício) conta que o curso é fundamental para o seu aprendizado e demonstra que eles não estão esquecidos dentro do sistema. “Eu fico muito feliz em poder estar participando da capacitação, porque todos podem ter uma segunda chance, e quando eu terminar de cumprir a minha pena, terei como sustentar minha família e me inserir no mercado de trabalho”, relatou.

Remição – Os internos que participam da qualificação recebem o direito à remição da pena pelo estudo, previsto na Lei de Execução Penal (LEP), que garante a redução de um dia da pena a cada 12 horas de estudo.

Mais cursos – A Unidade Prisional de Parintins (UPPIN) pretende ofertar, em janeiro de 2022, o curso de Eletricista Predial de Baixa Tensão para os detentos da unidade.

você pode gostar também
..