-Publi-A-

Emoção e homenagens marcam a despedida de Evandro de Oliveira

Foto: Arleison Cruz.

Gilson Almeida | 24 Horas
[email protected]

Emoção e homenagens marcaram a despedida do professor de dança Evandro de Oliveira, de 34 anos, que faleceu na segunda-feira (03), no Hospital Delphina Aziz, em Manaus, vítima da Covid-19. O corpo de Evandro chegou ao aeroporto Júlio Belém, em Parintins, numa aeronave, por volta das 14h desta terça-feira (04) e seguiu escoltado pelo carro do Corpo de Bombeiros pelas ruas da cidade.

Do aeroporto, o cortejo fúnebre seguiu para o bairro Itaúna 1 onde Evandro morava. Depois foi para o Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro onde Evandro era instrutor de dança. Na instituição os colegas fizeram soltura de balões e salva de palmas. Posteriormente o corpo foi para o curral Zeca Xibelão, onde Evandro recebeu homenagens do Boi Caprichoso, onde ele foi sócio, coreógrafo e dançarino. Posteriormente o cortejo fúnebre seguiu para a Funerária Bentes. O sepultamento está marcado para acontecer às 17h de hoje.

Gledson Oliveira, amigo de Evandro há quase 20 anos e colega de trabalho, conta que para ele essa uma grande perda. “Para mim é uma dor muito grande. Parece que ainda não caiu a ficha, é uma coisa inacreditável. Imaginar que não vou mais encontrar aquela alegria de quando chegava no trabalho, de quando ele ia me buscar em casa ou eu ia buscá-lo na casa dele, naqueles intervalos de quando íamos tomar aquele café e conversar sobre tudo, pesquisar vídeos de dança que era a paixão dele, cursos para fazermos, está sendo muito difícil mesmo”, disse Gledson Oliveira, também instrutor de dança do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro – unidade Parintins.

Jair Almeida, coordenador do Liceu de Artes e Ofícios Claudio – unidade Parintins, e conselheiro de arte e coreógrafo do Boi Caprichoso, destaca que as homenagens feitas ao seu amigo foi uma forma de agradecer por tudo que ele representou na arte e na cultura de Parintins.

você pode gostar também