Equipes são enviadas para resgate de delegado que desapareceu em Coari

Em coletiva realizada na manhã desta terça-feira (6) o secretário de segurança pública, Sérgio Fontes afirmou que as buscas pelo delegado Thiago Garcez continuam e que foram enviados 10 policiais do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera) e do departamento de narcóticos, três bombeiros militares sob coordenação do diretor de departamento do interior, Mariolino Brito.

Fontes ressaltou ainda que as equipes foram enviadas com armamento melhor, estão mais preparadas e contam com uma aeronave para o reconhecimento aéreo, além das lanchas. “Estamos movimentando todos os nossos recursos para localizar o delegado Garcez, entendemos que a região é perigosa, até por conta da atuação de piratas, mas a polícia militar está com muita frequência e pessoal de Tefé tem ido ajudar até para coibir o narcotráfico. Nós acreditamos que vamos encontrá-lo ainda no dia de hoje esperamos ter alguma informação o mais breve possível”, disse.

O secretário falou sobre as dificuldade da busca durante a noite anterior que teriam se dado pela falta de iluminação e pela possibilidade de os agressores ainda estarem no local ou próximos o que dificultaria a ação de resgate com a possibilidade de um novo embate pela recuperação da droga que fora apreendida – 500kg de Skank e  100kg de cocaína – horas antes.

O delegado da Polícia Civil, Thiago Garcez, desapareceu após uma troca de tiros com supostos traficantes de drogas, no rio Solimões, nas proximidades do município de Coari (localizado a 363km de Manaus).

As informações de que ele foi resgatado não procedem, segundo o delegado de polícia do município, Mauro Duarte.

De acordo com Sérgio Fontes, após confronto, os traficantes se esconderam na mata. Ele e Garcez começaram a colocar toda a droga, que estava na margem do rio, para dentro da lancha dos traficantes. A embarcação estaria parada no momento da abordagem, por volta das 19h, entretanto, ao tentar sair do local, eles foram surpreendidos com tiros dos traficantes. Eles teriam caído na água e, em algum momento, o delegado desapareceu.

As informações preliminares davam conta de que o delegado Thyago Garcez e o capitão Rarisson caíram no rio durante o tiroteio. Entretanto, de acordo com o delegado Duarte, os dois pularam no rio e se seguraram na lancha, mas Garcez – que estava com colete e armamento – ao perceber que estava submergindo, acabou se desprendendo da lancha e desapareceu nas águas.

Outra possibilidade é que a má visibilidade e o perigo de afundar podem ter feito com que o delegado se soltasse em um local mais raso. Ele acredita que Thiago pode ter nadado até outro ponto mais seguro. Duas lanchas da Polícia Militar.

Já o capitão Rarisson teria conseguido entrar na embarcação dos meliantes com a droga fez ela funcionar e se deslocou até a base da Petrobras, os outros policiais voltaram para Coari para pedir reforços. No final da noite com reforço de Coari e do pessoal de Tefé foram feitas as primeiras buscas. Porém, o delegado continua desaparecido.

Informações dão conta de que na saída para a operação havia dois policiais militares, um investigador, além do capitão Rarisson e do delegado Garcez.

O delegado desaparecido é titular da 78ª Delegacia Interativa de Polícia de Codajás, mas estava em Coari cobrindo as férias do delegado titular.

Ana Sena e Laize Minelli

você pode gostar também