-Publi-A-

Família de criança indígena morta em Barreirinha quer julgamento antes de acusado ser posto em liberdade

Por Eldiney Alcântara | 24 Horas

[email protected]

A família da pequena Ana Beatriz, 05, indígena estuprada e morta no dia 22 de novembro, em Barreirinha, solicitou da Justiça agilidade no processo de julgamento do menor acusado. O mesmo se encontra detido em Manaus, mas deve ser soltou em até 45 dias. Os advogados da vítima encaminharam pedido para que a audiência seja marcada antes da soltura do menor.

De acordo com os advogados da família, Dra. Ellen Estefany, Dra. Fabiana Rodrigues, Dr. Cesar Monteiro, que atuam no caso em Manaus, bem como a Dra. Ludmila Batista, que atua no processo no município de Barreirinha, foi enviada Carta Precatória, informando sobre o caso e a exigência de se realizar a audiência dentro do período de 45 dias. Devido a legislação, se expirar essa data, o acusado deverá responder o processo em liberdade e a audiência deve acontecer em Manaus.

No momento, não há movimentação no processo devido ao recesso forense, retornando as atividades somente no dia 06 de janeiro, o que dificulta ainda mais o agendamento do caso. Segundo o pai da vítima, Jackson de Souza, a família e os advogados estão empenhados na obtenção de provas e conseguir agendar a audiência o quanto antes. “Estamos correndo atrás de testemunhas”, disse Jackson, que se mostra preocupado com a possível liberação do acusado.

O caso

Na madrugada do dia 22 de novembro, Ana Beatriz, 5 anos, foi tirada de casa enquanto dormia na comunidade Nova Vida 2, em Barreirinha. Ela foi estuprada e morta. O acusado do crime é um menor de 16 anos. Em seu primeiro depoimento, ele apontou a participação de mais dois comparsas maiores, porém, em novo depoimento ele assumiu o crime sozinho, inocentando os demais.

O menor é acusado de homicídio qualificado, estupro de vulnerável e destruição, subração e ocultação de cadáver. Ele está na Unidade de Internação Provisória, UIP, em Manaus e, devido a legislação brasileira, tem menos de 45 para ser posto em liberdade.

você pode gostar também