Família faz campanha para realizar tratamento de grávida com tumor cerebral

Gilson Almeida24 Horas

[email protected]

Parintins (AM) – Familiares e amigos se mobilizaram e criaram uma vaquinha virtual para arrecadar recursos para o tratamento da servidora pública Maria de Lourdes Ferreira da Silva, 32, que está grávida de quatro meses e em janeiro de 2019 foi diagnosticada com um Macroadenoma Hipofisário (tumor cerebral de grande dimensão, localizado na base do crânio, especificamente na hipófise, local onde os hormônios são produzidos). Sua gravidez é de alto risco e ela precisa arrecadar R$ 120 mil para iniciar o tratamento em São Paulo.

A parintinense é casada com o professor Douglas Mascarenhas, 32, e o casal tem uma filha de 9 anos, Manoela Mascarenhas.

De janeiro a setembro de 2019 o tratamento foi clínico (a base de medicamentos), em Manaus, e o hormônio da prolactina (hormônio do leite, produzido em excesso por causa do tumor) ficou aparentemente normal indicando uma possível cura e assim ela recebeu alta do médico e o tratamento foi interrompido. Dessa forma Lourdes conseguiu engravidar, mas alguns sintomas relacionados ao tumor retornaram. Os principais riscos são a perda de visão e apoplexia (espécie de “infarto” da hipófise), levando a paciente à morte.

Governo do Amazonas 2

Os médicos informaram a Lourdes que com o avanço da gravidez o tumor tende a crescer.

Como em Parintins não há recurso e suporte médico necessário para o tratamento de Lourdes e em Manaus ela não teve respostas efetivas, ela terá que viajar para São Paulo onde há profissionais na área de Endocrinologia e Neurocirurgia que tem larga experiência e fazem estudos científicos de situações como a dela. Com isso ela poderá receber atendimento específico e, se for o caso, passar por intervenção cirúrgica.

Estando grávida, a assistente social não pode tomar medicação para controlar a prolactina e nem fazer ressonância magnética para acompanhar o macroadenoma.

Lourdes corre contra o tempo tendo em vista que ela deve viajar no máximo até março pois a partir do 7° mês de gestação ela não poderá mais realizar nenhum tipo de viagem e ela precisa estar em um local com UTI para assegurar a sua vida e a de seu bebê caso surja alguma complicação durante o parto.

Quem puder colaborar pode acessar o link https://www.vakinha.com.br/vaquinha/todos-pela-saude-da-lourdes-e-seu-bebe, ou depositar o dinheiro na conta do Bradesco: agência: 3703-6, conta corrente 0613820-9

“Tenho plena consciência que estou vivendo um momento de grande provação, mas Deus dá o fardo de acordo com a fé de cada um e é ‘pelo fogo que se prova o ouro e a prata’. Sei que um dia irei dar testemunho deste milagre. Desde já conto com as orações de todos.”, disse Lourdes.

você pode gostar também