-Publi-A-

Festival Folclórico de Parintins terá a organização da Prefeitura

Está definido que Festival Folclórico de Parintins 2017 será novamente organizado pela Prefeitura Municipal com o apoio do Governo do Estado. A administração de Bi Garcia (PSDB) segue os mesmos caminhos que a gestão do ex-prefeito Alexandre da Carbrás (PSD) tomou ano passado quando a Prefeitura assumiu a organização da maior festa folclórica do Norte do País.

Alguns parintinenses avaliam que a medida adotada no Governo Carbrás e agora na administração de Bi Garcia de a Prefeitura organizar o festival representa a volta do evento para as suas raízes.

A novidade é que a Secretaria de Estado de Cultura (SEC) não estará presente no evento folclórico, mas será a responsável em montar a logística dos órgãos estaduais como: Polícia Militar, Susam, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Detran, entre outros que darão suporte de segurança e saúde aos parintinenses, visitantes e turistas durante a realização da festa folclórica.

O secretário municipal de cultura, o vice-prefeito Tony Medeiros, informou que na próxima semana será montada a Comissão de Organização do 51º Festival Folclórico de Parintins. Tony afirmou que a coordenadora de turismo, Carla Viana, será a presidente do grupo de organização.

Com a mudança de governador, a Prefeitura de Parintins terá que refazer todo o planejamento para o evento, inclusive, o convênio do município e dos bois com Estado para o recebimento dos R$ 4 milhões anunciados nos primeiros meses do ano pelo ex-governador José Melo (Pros) que perdeu o mandato.

Tony Medeiros diz que é um desafio o município organizar o evento folclórico de Caprichoso e Garantido. “Hoje Parintins tem o maior festival folclórico do mundo, mas penso que o povo é inteligente e nós faremos um dos melhores festival de todos os tempos”, declarou.

Nesta terça-feira, (09), em Manaus aconteceu mais uma reunião com representantes do Governo do Estado, Bois e Prefeitura de Parintins para iniciar a definição da logística que o Estado vai proporcionar ao evento folclórico.

Por Fernando Cardoso

você pode gostar também