Filha do ex-prefeito, Didi Vieira, encara disputa por uma vaga na Câmara de Parintins 

Foto: Divulgação

Da Redação

Parintins (AM) – A assistente social e administradora, Ana Cláudia Prestes Vieira Carneiro, 54 anos, vai concorrer a uma das 13 vagas na Câmara Municipal de Parintins nas eleições 2020. Ela teve a pré-candidatura homologada na convenção do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), realizada no Plenário Raimundo Almada, no Poder Legislativo, na tarde de terça-feira (15).
Ana Cláudia nasceu no período em que o pai, Raimundo Dejard Vieira, conhecido como Didi, exerceu mandato de 1964 a 1968. A filha do saudoso político se emocionou quando viu a foto do pai na galeria dos ex-presidentes da Câmara Municipal de Parintins, onde iniciou a vida pública na terceira legislatura da história, eleito vereador em 1956, e assumiu a presidência.
Ana Cláudia segue os mesmos passos trilhados pelo pai para entrar na política  com experiência em gestão como diretora do Boi Caprichoso, na administração da presidente Márcia Baranda, de 2011 a 2013, depois coordenadora do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) Parintins, a partir de 2014, e atualmente gerente do Posto Mucuripe, na Estrada Odovaldo Novo.
Ela estudou fora do município, mas voltou para constituir família e a vida na terra natal. “A minha história de vida, os ensinamentos dos meus pais e a minha vontade de fazer mais pelas pessoas e pela nossa cidade, me incentivam a colocar, pela primeira vez, o meu nome à disposição para pleitear uma vaga na Câmara Municipal de Parintins”, declara a pré-candidata.
Ana Cláudia herdou do pai, Seu Didi Vieira, a vontade de construir uma vida pautada na honestidade e começou a trabalhar muito nova para lutar pela família de forma independente. Ela acredita na força da representatividade feminina e fez história ao lado de Márcia Baranda, ao integrar a diretoria da primeira presidente da história do Caprichoso, de 2011 a 2013.
Casada com o comerciante Eladmilson Carneiro, o Ladico, há 30 anos, a assistente social tem quatro filhos e pleiteia o cargo de vereadora para aumentar a bancada feminina no Poder Legislativo. “Meu pai, Didi Vieira, me inspira pelo seu legado de um homem honesto e trabalhador. Minha mãe, Dona Luzia, ousava em dizer que a política da família era eu”, lembra.
A assistente social diz que entra na política pelo sentimento de servir às pessoas. “Ser vereadora é uma possibilidade real de trabalhar com muita seriedade. Sou mulher, mãe, gestora de uma empresa e a minha história é real, de muita luta e muita entrega, assim como de milhares de mulheres parintinenses, de garra e muita determinação”, revela.
você pode gostar também