Gigante Juma do Caprichoso não vai pra arena por medida de segurança

Alegoria do artista André Amoedo. Foto: Carlos Alexandre

Da Redação | 24 horas

[email protected]

“Peço desculpas da nação azul e branca”. Assim o artista do boi bumbá Caprichoso André Amôedo se despediu da intenção de ainda realizar a apresentação da alegoria do Gigante Juma no momento lenda Amazônica dentro do ato “Viva nossa gente” que encerrará o espetáculo “Viva Parintins” na noite deste domingo na arena do bumbódromo.

A decisão de não levar a alegoria para o bumbódromo foi feita pelo conselho de arte, artistas e a diretoria da agremiação após a tentativa de recuperação da estrutura terem percebido problemas que poderiam causa outros acidentes. “Não foi apenas a lança que se rompeu, mas o Juma ficou com sua estrutura comprometida”, afirmou o artista idealizador do projeto da lenda Amazônica.

O artista Netinho Martins anunciou que quando o guindaste da Amazonas Energia tentou içar a estrutura alegórica foram ouvidos estalos que assustaram os trabalhadores. “Esses estalos revelaram que não teria condições de colocar a alegoria nesta noite. O conselho (de arte) pretende incluir essa alegoria no projeto do boi de 2017”, assegurou.

Abatido André Amoedo agradeceu ao apoio dos torcedores e dos demais artistas que hoje pela manhã se uniram para recuperar o módulo.

Acidente

O Gigante Juma conta a lenda da formação da Serra da comunidade da Valeria localizada na Gleba de Vila Amazônia fronteira com o estado do Pará. A alegoria deveria ser apresentada na primeira noite do 51º, mas devido a forte chuva o módulo do Juma cedeu quando era içada deixando ferido um operário, sem gravidades.

Alegoria foi substituída pela Lenda Amazônica Tandavú dos artistas Neyzinho Meireles e Márcio Gonçalves.

você pode gostar também