-Publi-A-

GJ667Cc

Fig01: Concepção artística do céu de GJ667Cc.

Em matérias anteriores, falamos  que sistemas estelares múltiplos são mais comuns do que  os astrónomos pensavam. Hoje,  iremos  conhecer outro exemplo de  sistema triplo. Isso mesmo,  um planeta com  três estrelas.

O planeta denominado GJ 667Cc está a orbitar  uma estrela  anã-branca, que por sua vez, orbita  um sistema estelar binário. Logo,  GJ 667Cc gira em torno de três estrelas. Como mostrado na  figura 01, a estrela  GJ667C é uma anã-branca e as outras duas (GJ667A e GJ667B) são estrelas mais parecidas com nosso Sol.

Fig02: Um planeta e três estrelas.
Fig02: Um planeta e três estrelas.

A parte mais  surpreendente desta descoberta é o facto de  GJ667Cc estar em uma região que denominamos por “zona habitável”, nome dado àquela região onde a probabilidade de se encontrar água líquida na superfície planetária é muito grande.

Esses dados  levaram astrónomos do mundo inteiro a tomarem as seguintes conclusões, a saber: a) há mais  planetas que estrelas na Via Láctea; b) planetas com duas e/ou três estrelas são comuns, evidenciando que  planetas habitáveis podem  existir (e/ou se formarem)  em ambientes  bem diversos.

Talvez você esteja a pensar no calor. Se levarmos em consideração a distância entre  GJ 667Cc e o sistema estelar binário, o planeta  é relativamente frio. Sim, pois,  as duas estrelas estão afastadas do planeta a uma distância equivalente entre o Sol e Plutão. E a noite, como fica? Se você observar a figura 01,  em sua órbita mais externa, o planeta está afastado das  estrelas binárias. Entretanto, em sua órbita mais interna,  o planeta está entre  as três estrelas. Se você pensou que não haverá noite, se enganou. De facto, assim que uma estrela se pôr, a outra nascerá.  O céu de GJ667Cc deve ser lindo, com três  ocasos. A  grande distância entre as binárias e o planeta faz com que  este tenha períodos  nocturnos  regulares. Claro, será uma noite com  direito a dois “sóis”.

Entretanto,  a técnica empregada pera o estudo do planeta  não permitiu o cálculo exacto da massa do mesmo. Os astrónomos  estimaram que a massa daquele poderá estar entre 4,5 até 9  vezes a massa da Terra. Porém,  ao refazerem as medidas, descobriram que há outro planeta a orbitar a mesma estrela GJ667C.

Outro detalhe importantíssimo: embora  GJ667Cc tenha três estrelas (três “sóis”) a quantidade  de luz que aquele planeta recebe equivale a 90% da quantidade  de luz que a  Terra recebe do Sol. No caso de GJ667Cc, a maioria da luz  recebida está na faixa infravermelha, que é absorvida intensamente pelo planeta. Em comparação com a Terra, podemos afirmar que GJ667Cc e Terra absorvem a mesma energia de suas respectivas estrelas.  Ou seja,  suas temperaturas  na superfície são  bem parecidas. Consequentemente,  especula-se  a  probabilidade de haver água líquida  e até mesmo oceano em GJ667Cc.

Dr. Nélio Sasaki – Doutor em Astrofísica, Líder do NEPA/UEA/CNPq, Membro da SAB, Membro da ABP, Membro da SBPC, Membro da SBF, membro da UAI, membro da PLOAD/Brasil e ST/Brasil, Revisor da Revista Areté, Revisor da Revista Eletrônica IODA, Revisor ad hoc do PCE/FAPEAM, Director do Planetário Digital de Parintins-NEPA/UEA/CNPq, Director do Planetário Digital de     Manaus-NEPA/UEA/CNPq, Professor Adjunto da Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

 

você pode gostar também