Globo de Ouro: Meryl Streep celebra estrangeiros nos Estados Unidos

Em discurso emocionado e contundente, a atriz Meryl Streep celebrou a presença de estrangeiros, especialmente no cinema de Hollywood, ao ser homenageada na noite deste domingo (8) no Globo de Ouro 2017. Ela recebeu o Cecil B. DeMille Award, prêmio pelo conjunto da obra.

Em uma passagem bem-humorada, Meryl chegou a dizer: “Hollywood está lotada de forasteiros e estrangeiros e, se os deportássemos, vocês não teriam nada para ver além de futebol e MMA”. A fala da atriz soou como recado ao presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump.

Ela citou diversos de seus colegas indicados na noite, nascidos no Estados Unidos e em outros países. “Amy Adams nasceu em Vicenza, em Vêneto, na Itália. Natálie Portman nasceu em Jerusalem [em Israel]. Onde estão os certificados de nascença delas?”, perguntou, em alusão aos pedidos de Trump para ver os documentos de Barack Obama.

Ela também criticou o presidente eleito por imitar uma jornalista com doença congênita. “Quando algo assim é feito por alguém poderoso, impacta a vida de todos, porque meio que dá a permissão para que outros façam a mesma coisa. Desrespeito convida desrespeito. Violência incita violência. Quando os poderosos usam sua posição para intimidar outros, todos nós perdemos.”

Ela se lembrou ainda que o Globo de Ouro é entregue pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA, na sigla original), e falou que é dever da imprensa continuar cobrando responsabilidade dos poderosos, convidando seus colegas a proteger os jornalistas. “Vamos precisar deles nos próximos dias.”

Ao encerrar seu discurso, ela lembrou Carrie Fisher, que morreu no último dia 27 de dezembro de 2016. “Como minha amiga, a querida princesa Leia, disse para mim uma vez: Pegue seu coração partido, e faça dele arte.”

A escolhida para fazer a apresentação de Meryl Streep foi Viola Davis, que ganhou o prêmio de melhor atriz coadjuvante por sua atuação em “Cercas”.

Do g1

você pode gostar também