-Publi-A-

‘Homem do Lago’ intriga moradores durante cheia no interior do Amazonas

A comunidade Ponte do Futuro, em Carauari, já vê os efeitos da cheia do rio Juruá, que deixou o município localizado a 542 km de Manaus em situação de emergência. Em meio a esse cenário, chama atenção um barraco improvisado com pedaços de madeiras e entulhos em um lago próximo ao porto da cidade. O local é há oito anos a casa do idoso Nelson Ferreira de Araújo, 64. Moradores da área e autoridades tentam retirar Nelson da casa, sem sucesso.

Imagens mostram que o barraco onde o idoso mora é feito de pedaços de madeira corroídos por cupins e objetos despejados no local, como ventiladores, colchões e até uma bicicleta.

“Ele vive nessa situação há oito anos. [O Nelson] tem apenas uma irmã na cidade, com quem chegou a morar, mas, após uma briga que teve até polícia, foi viver nesse barraco”, conta o fotógrafo Ronilson Campelo, morador de Carauari que tem acompanhado a situação do idoso.

 
Homem mora entre entulho há 8 anos (Foto: Arquivo Pessoal)
Homem mora entre entulho há 8 anos (Foto: Arquivo Pessoal)

Segundo ele, populares costumam ajudar Nelson com comida. Ronilson conta que o idoso não aparece fora da casa há meses. Quem o procura não vê o rosto. Apenas a mão de Nelson ocasionalmente sai por entre os pedaços de madeira.

No vídeo enviado à reportagem, é possível ver moradores questionando o idoso sobre a sua opção de nunca sair do local. “Tu quer sair daí, Nelson?”, indaga uma mulher. Um homem o pergunta se ele quer ir para uma outra casa. “Num é ‘pa’ ir ninguém ‘pa’ essa casa aí, não (sic)”, limita-se a dizer o idoso.

O secretário de Saúde de Carauari, José Maria Santiago Pereira, disse que a prefeitura tomou conhecimento da situação de Nelson há uma semana. “A gente não sabe exatamente o histórico dele. Reunimos com o Ministério Público (MP) e formamos uma equipe [de órgãos municipais] para fazer esse trabalho”, explicou.

Pereira informou que o grupo deve seguir o trabalho nesta quarta-feira (26). Enfermeiros e psicólogos também foram acionados para dar apoio na retirada do idoso. “A gente não sabe o que vai sair daquele ‘casulo’, se é uma pessoa tranquila ou agressiva. Estamos cercando-o de todos os cuidados pra saber de que forma vamos tratá-lo”, finalizou.

A reportagem aguarda posicionamento do MP sobre a situação.

Enquanto isso, o “homem do lago” segue dentro do mesmo mundo que viveu nos últimos oito anos.

 
Área onde idoso mora sofre com efeitos da enchente (Foto: Arquivo Pessoal/Ronilson Campelo)
Área onde idoso mora sofre com efeitos da enchente (Foto: Arquivo Pessoal/Ronilson Campelo)

Do g1

você pode gostar também