Janaína Vieira é a primeira pessoa com deficiência a disputar no Miss Parintins

Foto: Arleison Cruz.

Gilson Almeida | 24 Horas
[email protected]

O Miss Parintins desse ano traz outras novidades, uma delas é a inclusão social tendo Janaína Vieira, de 19 anos, como a primeira pessoa com deficiência a disputar no concurso de beleza promovido por Frank Freitas. A jovem parintinense tem uma linda história de vida e superação, e tem a oportunidade de levantar a bandeira da inclusão na passarela.

Por conta da sua deficiência na mão direita desde criança Janaína sofreu bullying, sentia muita vergonha, as pessoas se afastavam dela e nisso ela acabava escondendo a mão. No entanto, passar por esses tristes momentos não foram o suficiente para deixá-la para baixo, pelo contrário, ela usou isso como “combustível” para continuar seguindo em frente sem medo dos desafios.

Foto: Lucas Patrick.

“A partir de então comecei a me tornar uma pessoa forte e determinada. Apesar da minha situação eu não me limitava a ser aquela pessoa com deficiência, eu gosto de ultrapassar os limites que a mim são impostos e provar no dia a dia que nada é impossível. A minha história começou em 2014, quando a minha mãe me matriculou no Cras (Centro de Referência de Assistência Social) Santa Rita em uma oficina de artesanato, porém optei por fazer oficina de dança. Quando eu dançava era como se as minhas energias fossem recarregadas, eu me sentia viva. No Cras havia muitos eventos e um deles foi um desfile no qual eu participei e ganhei o primeiro lugar. A premiação foi uma caixa de chocolate, eu lembro que fiquei muito feliz. Posso dizer que a dança mudou minha vida, foi um processo que eu não sei muito bem como definir”, conta a jovem.

Foto: Nande Silva.

Em 2017 Janaína foi convidada para participar do projeto “Vem dançar com o Leleu” em que ela e outros participantes viajaram para a praia do Uaicurapá onde aconteceu o Conexão Verão. Lá um dos organizadores do evento perguntou se ela tinha interesse em participar do desfile que ia acontecer e ela disse que sim e fez sua inscrição de última hora. “Quando eu contei para as pessoas que estavam comigo tiveram uma reação muito negativa, não acreditavam que eu poderia chegar na final. Eles diziam que as outras meninas eram mais bonitas. Eu encarei isso como um desafio, participei e fiquei em 3° lugar. Naquele mesmo ano eu participei do desfile para a escolha da ‘Garota Brandão de Amorim’, escola em que eu estudava na época, mas infelizmente eu não ganhei. Também participei da Raça Azul (torcida organizada) do meu amado Boi Caprichoso”, disse.

Foto: Nande Silva.

Sua trajetória no boi das cores azul e branco não parou por aí. Em 2018 Janaína foi convidada pelo pajé Erick Beltrão para fazer parte do Corpo de Dança Caprichoso (CDC), grupo o qual ele coordena, e até hoje Janaína continua frequentando os ensaios e fazendo o que mais ama, dançar.

No início desse ano Janaína Vieira ficou determinada de realizar o sonho de participar do Miss Parintins 2021, sendo a primeira participante com deficiência a concorrer ao título do concurso. “Uma coisa que foi desafiante para mim foi encontrar patrocinadores que acreditassem em mim, foi bem difícil. Quando eu comecei a ir atrás recebi vários não. Ninguém queria me patrocinar. Penso que por não acreditarem em mim ou por não me aceitarem como uma pessoa com deficiência, não sei o real motivo. Eu sou muito grata aos meus patrocinadores, eles fizeram muita diferença nesse primeiro desfile e me incentivaram bastante a seguir em frente. Teve pessoas que me deixaram na mão também e teve pessoas que eu não esperava que iam me apoiar que estenderam a mão para mim e me ajudaram. Para mim essa é uma oportunidade de levantar a bandeira da inclusão nesse meio em que ainda é inacessível para muitas pessoas como eu. Estamos em 2021, precisamos falar sobre inclusão, precisamos evoluir pois só assim teremos um mundo mais justo e inclusivo”, destaca a candidata a Miss Parintins 2021.

A apresentação das candidatas ocorreu dia 29 de maio por meio de live transmitida do Hotel Amazon River e a final, segundo Frank Freitas, deve acontecer em setembro ou outubro em que as finalistas desfilarão com os trajes indígena, banho e social.

Foto: Lucas Patrick.
você pode gostar também