Jornalista é condenado à prisão por “insultar” presidente turco

Um tribunal da Turquia condenou o jornalista Baris Ince, do jornal Birgün, a 21 meses de prisão por “insultar” o presidente do país, Recep Tayyip Erdogan, em reportagens publicadas em 2013 sobre corrupção.
De acordo com o diário turco Hurriyet, Erdogan avaliou que as informações sobre o governo divulgadas pela publicação faziam parte de um “complô para derrubar o Executivo”. O líder turco também alega que o jornalista insultou seu filho, Bilal Erdogan.

Segundo a Europa Press, Ince também foi acusado de deixar uma mensagem implícita no texto, já que a primeira letra de cada parágrafo formava a palavra “ladrão”. Insultar o chefe de Estado pode render até quatro anos de prisão no país. Até o momento, a lei foi usada contra jornalistas, cartunistas, professores e estudantes.
Na semana passada, a organização Repórteres sem Fronteiras (RSF) condenou a política do presidente e disse que é uma ameaça a jornalistas e à liberdade de expressão. A declaração veio após a libertação dos jornalistas Can Dündar e Erdem Gul, ambos do jornal oposicionista Cumhuriyet, que estavam presos desde 26 de novembro de 2015.
você pode gostar também