-Publi-A-

Justiça determina a suspensão do envio de vacinas da Pfizer para o interior do Amazonas

Ilustração: REUTERS/Dado Ruvic.

Após a ação das Defensorias Públicas estadual e federal, a justiça federal determinou a suspensão do envio de vacinas da Pfizer para o interior do Amazonas. A decisão foi expedida pela 1ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região. No despacho, a justiça julgou como inadequada o processo de distribuição da vacina da Pfizer para o interior do estado.

A Ação Civil Pública foi movida pela Defensoria Pública do Estado. De acordo com a Defensoria, a utilização do imunizante estaria em desacordo com o que prevê o esquema vacinal do fabricante, de modo que a bula da vacina da Pfizer prevê que as duas doses do imunizante sejam aplicadas no intervalo de 21 dias, mas que o Governo do Amazonas estaria adotando a estratégia utilizada no Reino Unido, no qual o intervalo entre as duas doses da vacina é de 3 meses.

Estudos indicam que essa estratégia utilizada no Reino Unido poderia aumentar a efetividade da vacina. A Defensoria alega que os estudos ainda não foram concluídos e enquanto isso deveria se respeitar a recomendação do fabricante para se alcançar a efetividade máxima do imunizante.

A Defensoria também alega que a distribuição da vacina para o interior estaria sem garantia de refrigeração adequada, considerando que o imunizante da Pfizer requer armazenamento especial em baixa temperatura, até então inexistente no interior do estado.

Com a decisão da justiça, a utilização da vacina da Pfizer no interior está suspensa até que o Governo do Estado apresente um plano satisfatório de transporte e armazenamento com segurança para que se evite desperdícios. A justiça determinou que se use no interior a vacina Astrazeneca que está disponível.

Nesta semana o governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou que metade das vacinas que seriam utilizadas no mutirão de vacinação em Parintins das pessoas de 23 a 29 anos seriam da Pfizer. Ação está marcada para acontecer no próximo sábado (26).

O Ministério Público, em Parintins, informou que deve recorrer à decisão da justiça federal.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) informou que a medida não acarreta em prejuízo ao mutirão de vacinação deste fim de semana em Parintins.  As doses enviadas para a ação foram, inclusive, ampliadas de 12 mil para 15 mil, sendo 12 mil de Astrazeneca e 3 mil de Coronavac.

Colaboração Jean Beltrão / Rede Amazônica

você pode gostar também