Mais de 2,5 milhões de amazonenses poderão votar nas eleições de 2020. Estado do Amazonas teve maior aumento de eleitorado do país

Em Manaus, número de votantes para este ano é 1,3 milhões. Eleições foram adiadas para 15 de novembro por conta da pandemia.

O Amazonas tem 2.503.269 de eleitores aptos a votarem nas eleições municipais. O aumento é de 7,88% em relação às eleições de 2016, quando eram 2.320.326 eleitores, segundo dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta quarta-feira (5).

O estado teve o maior aumento do eleitorado do país, que soma 147.918.483 de votantes. Na capital, o total de votantes para este ano é 1.331.613.

Neste ano, as eleições – que estavam previstas para o primeiro domingo de outubro – ocorrem em 15 de novembro, em razão da pandemia de Covid-19. Serão definidos novos prefeitos e vereadores em 5.569 municípios espalhados pelo país.

O Brasil registrou um aumento de 2,66% em relação às eleições de 2016, quando eram 144.088.912. O único estado que apresentou redução no número de eleitores foi o Tocantins, que caiu 0,17% (em 2016 eram 1.037.063 e em 2020 serão 1.035.289)

O estado que continua a ser o maior colégio eleitoral brasileiro é São Paulo, com 33.565.294 eleitores. Houve um aumento de 2,69% do eleitorado paulista. A capital de São Paulo representa também o maior município em número de eleitores, com 8.986.687 no total.

Biometria

Para evitar a propagação do novo coronavírus, a Justiça Eleitoral adotou medidas sanitárias e decidiu excluir o uso da biometria como meio de identificação nas eleições deste ano, já que o leitor não pode ser higienizado com frequência. No entanto, segundo o TSE, um levantamento mostra um avanço significativo na coleta dos dados nos últimos quatro anos.

Enquanto, em 2016, 46.305.957 pessoas foram identificadas a partir das impressões digitais, em 2018, esse número saltou para 87.363.098 e, em 2020, já soma 117.594.975. Esse avanço significa que 79,50% dos eleitores brasileiros já estão identificados pela biometria.

O uso de biometria também aumenta as aglomerações, uma vez que a votação se torna mais demorada do que com assinatura no caderno de votações. Muitos eleitores, conforme o TSE, têm dificuldade com a leitura das digitais, o que aumenta o risco de formar filas.

Calendário

Com a promulgação da Emenda Constitucional nº 107/2020, que adia eleições municipais para 15 (1º turno) e 29 de novembro (2º turno), foram prorrogadas várias datas do calendário eleitoral. Veja aqui as principais:

  • 31 de agosto a 16 de setembro: convenções partidárias para definição de coligações e escolha dos candidatos. Podem ser realizadas por meio virtual.
  • 31 de agosto a 26 de setembro: período para o registro de candidaturas. Início do prazo para que a Justiça Eleitoral convoque partidos e emissoras de rádio e TV para elaboração do plano de mídia.
  • 27 de setembro: Início da Propaganda Eleitoral, inclusive na internet
  • 15 de novembro: 1º turno das eleições
  • 29 de novembro: 2º turno das eleições
  • 15 de dezembro: Último dia para entrega das prestações de contas
  • 18 de dezembro: Prazo final para diplomação dos eleitos

Com informações do g1

você pode gostar também