-Publi-A-

Manaus: Ginecologista acusado de estuprar paciente diz que sexo foi consentido

O médico ginecologista de 50 anos, investigado por suspeita de estuprar uma paciente dele, de 26 anos, durante uma consulta, se apresentou na presença de um advogado, na tarde desta sexta-feira (7), no 10º Distrito Integrado de Polícia (DIP). O delegado titular do 10º DIP, Paulo Benelli, relatou que o ginecologista confessou ter mantido relações sexuais com a paciente, porém, alegou que foi com o consentimento da mulher.

Segundo o delegado Paulo Benelli, o médico contou que a mulher era paciente dele há cerca de seis anos, e que na tarde da última terça-feira (04), eles mantiveram relações sexuais, após a consulta. “O ginecologista contou que o ato foi na própria mesa onde ele realiza os procedimentos, mas que tudo foi consentido pela paciente. E que depois do ato, ela saiu normalmente da clínica acompanhada de dois amigos”, disse.

Na delegacia, o ginecologista relatou ainda que, antes dessa situação, nunca havia mantido relações sexuais com a paciente, e que não entende o motivo de ter sido acusado de estupro. “O médico diz também que sabia apenas o primeiro nome da vítima e que só falava com ela nos dias de consulta”, disse.

De acordo com o delegado Paulo Benelli, o resultado dos exames solicitados ao Instituto de Criminalística (IC) e ao Instituto Médico Legal (IML), deve sair até a próxima terça-feira (11). “Só depois do resultado dos exames e de ouvir as testemunhas que estavam na clínica no dia do ocorrido, é que vamos poder afirmar se a paciente foi estuprada ou não. Precisamos fazer ainda, algumas acareações, e confrontar os depoimentos”, disse.

Caso

A mulher denunciou o caso na tarde da última terça-feira (4), logo após ter sido estuprada pelo ginecologista, dentro da clínica dele, no bairro Alvorada, zona centro-oeste de Manaus. Na ocasião, a Polícia Civil fez buscas na clínica e na casa do ginecologista, mas ele não foi encontrado.

O ginecologista foi indiciado por estupro e liberado para responder pelo crime em liberdade. A Polícia Civil ainda aguarda o resultado de exame de conjucção carnal e do semên colhido na clínica do ginecologista para confirmar o crime.

De acordo com o delegado Paulo Benelli, o depoimento do ginecologista estava marcado para a manhã desta sexta-feira, porém, ele não compareceu, indo na delegacia, apenas no final da tarde.

Do d24

você pode gostar também