Márcia Novo prepara Live Eletroboi com artistas de Parintins

Evento vai ser realizado no dia 23 de maio com clássicos do boi-bumbá, às margens do Lago Macurany

A cantora Márcia Novo vai realizar, no próximo dia 23 de maio, às 19h30, a live Eletroboi em Parintins. O evento contará com a participação de itens oficiais dos bumbás Garantido e Caprichoso, além de apresentar uma nova proposta de som para a Ilha Tupinambarana.

De acordo com a artista, o show será uma conexão com a sua própria ancestralidade. A família Novo faz parte da história de Parintins, o bisavô da artista, Sr. João Novo, foi um dos primeiros imigrantes a chegarem na ilha e a sua fazenda Itaúna deu nome ao bairro onde foi localizada. Em 1988, foi homenageado com a criação do bairro João Novo no município. Devido à sua importância na história de Parintins, os artistas Curumiz irão preparar um Grafite em homenagem.

“A live representa muito mais do que isso, é minha ancestralidade, essa conexão, essa volta com as minhas raízes. O que o público pode esperar? Se emocionar. Nós separamos um repertório das antológicas da década de noventa, que para mim, particularmente, são os tempos áureos bovinos. Em termos de letra, uma riqueza de composição enorme, e escutar as músicas da década de noventa é uma aula de história pura e cantada do Amazonas e do Brasil”, destacou.

O projeto vai além do som, conforme Márcia, a estética de imagem por meio de figurinos serão destaques do evento. Em especial, por trazer a imagem da mulher amazônida no boi-bumbá, fato que tem sido conquistado aos poucos.

“Queremos fazer um espetáculo, um compacto de Parintins. Vamos falar sobre as lendas e trazer reflexão sobre a questão indígena, afinal de contas é uma bandeira de todos nós, principalmente da Amazônia, precisamos defender. E vamos trazer muita música dançante, os clássicos da década de noventa como “Pesadelo dos Navegantes”, “Tic-Tic-Tac”, “ Kananciuê”, “Fibras de arumã” e outros”, disse.

Entre as participações especiais estão o Pajé do Garantido, item campeão do último festival, Adriano Paketá; o grupo de dança Garantido Show; a cantora Vanessa Alfaia, o apresentador do Caprichoso, Edmundo Oran; Canto da Mata, um dos mais tradicionais grupos de toadas; a indígena Samela Sateré Mawé, liderança indígena que está à frente da Associação das Mulheres Indígenas Sateré-Mawé (Amism) e o premiado produtor musical Manoel Cordeiro, um dos ícones da música na região Amazônica.

A live terá aproximadamente 3 horas de transmissão para todo o Estado pela TV aberta, Encontro das Águas (Canal 2.1, 13 / 513 HD – Claro TV) e pelos canais oficiais de Márcia Novo no YouTube e Facebook (https://www.youtube.com/user/popnovo) e (https://www.facebook.com/marcianovo)

A live acontecerá no Píer do Kwati Club em Parintins, às margens do Lago Macurany, a produção contará com iluminação e cenografia que une elementos regionais e o contexto urbano.

Durante o evento, o projeto “Vidas Indígenas Importam” estará recebendo doações por meio do QR Code que será disponibilizado para arrecadação. Até o presente momento, o projeto já ajudou mais de 1,5 mil famílias indígenas com doações de cestas básicas e itens de higiene pessoal durante a pandemia da Covid-19. E recentemente conseguiu apoio internacional para reerguer o barracão “Maloca” Aldeia Inhãa-bé, localizada no Tarumã.

O projeto foi contemplado pela Lei Aldir Blanc, que estabelece o prazo máximo de execução da proposta para utilização dos recursos. Todos os protocolos estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) serão mantidos para garantir a segurança dos envolvidos no evento.

“Uma das justificativas para a realização da live em Parintins é gerar renda para os profissionais da cultura que estão há dois anos sem trabalhar no Festival, principal fonte de renda do município. Essas pessoas estão passando por uma necessidade financeira séria, o ano mais rentável do Festival gerou R$ 46,5 milhões injetados diretamente na economia da cidade. Imagina dois anos sem esse recurso? Os artistas dos galpões estão precisando muito. A maior parte da equipe do Eletroboi será contratada de Parintins, é uma forma que encontramos de ajudar essas pessoas”, afirmou Novo.

Projeto Eletroboi

O EP Eletroboi foi lançado em dezembro de 2020 com a proposta de dar um up grade na sonoridade sem perder os elementos essenciais do Boi-Bumbá. O trabalho é composto apenas por produtores do Norte, e consagra Márcia Novo como artista feminina nos palcos de boi-bumbá.

“Sou apaixonada pela Amazônia e esse trabalho é minha contribuição enquanto mulher, de família original de parintins e que ama toada. Sempre quis trazer o som da atualidade mantendo os traços do ritmo de boi-bumbá, e o Eletroboi me permitiu isso. É um desafio mudar clássicos, mas estou muito feliz com o resultado e espero que o público goste”, declarou a artista.

Réquiem, Dança do Banzeiro, Vem, Bumbum Bumbum Bumbá e Ritmo Quente compõem o trabalho, que é um mix de beats eletrônicos com guitarras, percussões orgânicas e interpretação pela ótica de uma voz feminina.

Márcia Novo – uma das guardiãs da Amazônia

Considerada uma das 12 personalidades Guardiãs da Amazônia pela Revista Vogue, Márcia Novo vai celebrar 18 anos de carreira com quatro discos gravados e reconhecimento no Brasil.

Também iniciou o movimento “Vidas Indígenas Importam” que tem ajudado diversas famílias com alimentos, remédios e EPIs (Equipamentos de Proteção Individual). Além disso, também atua no projeto “Tarumã Alive” que promove conscientização e ações de preservação da maior bacia hidrográfica de Manaus, o Tarumã-Açu.

Pelo seu destaque como ativista em causas ambientais e indígenas, foi escolhida como embaixadora da Fundação Amazônia Sustentável (FAS).

você pode gostar também