Marcos Boi se diz “frustado” com pendências do Garantido e se desliga da Comissão de Artes

Às vésperas de mais uma disputa de Caprichoso e Garantido na arena do Bumbódromo, em Parintins, o boi fundado por Lindolfo Monteverde acaba de ter uma baixa no quadro da Comissão de Artes. O coreógrafo Marcos Moura, conhecido como ‘Marcos Boi’, não faz mais parte do grupo responsável pelo projeto de arena. No lugar dele, deve assumir Ricardo Pegueite.

Marcos Boi era um dos responsáveis pelo projeto de arena do bumbá para 2019 e decidiu se afastar por vários motivos, entre eles o financeiro e falta de espaço dentro da própria Comissão de Artes. “Decidi me afastar, pois quando a gente não está tendo espaço para somar, como deveria, é melhor tomar outro rumo e graças a Deus não dependo financeiramente do Garantido”, informou Marcos, em entrevista exclusiva ao site Folha de Parintins.

Apesar de sair da Comissão de Artes, o artista informou que não deixará o boi. “Sou sócio, tenho um compromisso de cidadania com o Festival e sobretudo com o Garantido. Saí da ‘Gestão do Fábio’ (Cardoso – presidente do bumbá). Já esgotei minhas tentativas de resolver algumas questões que eu não concordava e infelizmente as coisas continuam acontecendo e eu não tenho mais condições de ficar perdendo meu tempo correndo risco de manchar meu nome. O convívio já não estava tão harmonioso assim”, informou.

Perguntado se a saída dele tinha alguma relação com a volta do teatrólogo Chico Cardoso, Marcos Boi disse que não ia se aprofundar em alguns motivos, pois já tinha tratado na “instância que tinha que tratar”. “Agora vou aguardar a Assembleia do boi, que é a instância mais adequada para tratar sobre alguns pontos que não concordo, até para não gerar nenhum tipo de polêmica nociva ao Festival e ao Garantido. Vou colaborar de outra forma”, completou.

Financeiro – As pendências financeiras da atual diretoria do Garantido com o Marcos se arrastam desde o ano passado. “O próprio presidente disse que não teve condições de resolver umas pendências, mas eu já estava me prejudicando. Estava me comprometendo com as pessoas que tinha que pagar nas datas que o presidente me confirmava que sairia o pagamento e como não era honrado, acabei me prejudicando”.

Projeto 2019 – Marcos Moura informou que o projeto de arena para 2019 é forte e foi feito por várias pessoas. “Fiz parte da Comissão do ano passado e, acabando o festival, iniciamos a construção de um projeto, que eu avalio muito forte e competitivo, construímos a muitas mãos. E a gente, recentemente, entregou esse projeto para a Diretoria e para Comissão. Eu estava na função de coordenador do Departamento Cênico Coreográfico”, disse o ex-membro da Comissão de Artes.

Tristeza – Marcos, ao relatar sua saída da gestão de Fábio Cardoso, disse que muitos artistas do bumbá estão sem receber. “Muito triste verificar companheiros nossos e outros artistas com pendências de dois e três anos. Pessoas que passam por muitas dificuldades com suas famílias e promessas que não são cumpridas. Estou frustrado. Já engoli muito sapo. Acreditei que seria um ano que dava para corrigir essas questões com os artistas principalmente, mas não deu. Vou colaborar de outra maneira”, finalizou.

Por: Folha de Parintins
Foto: Cayo Dias/Divulgação

você pode gostar também