Marília Mendonça: a cantora que fez o Brasil sofrer

Marília liderou uma reviravolta feminina no mercado sertanejo, que impôs mulheres como protagonistas do estilo até então dominado quase só por homens, a partir de 2016, com o chamado feminejo.

Ela tocava fundo no coração do povo sem nunca subestimar o sentimento popular. Tinha qualidade refinada, nas composições e na interpretação.

E ela foi reconhecida por isso: era amada pelo público e pela crítica. No Brasil que foi ficando cada vez mais dividido, Marília era uma unanimidade.

“Marília cantou sobre mulher amante, mulher que trai, corna, cachaceira, prostituta, talarica e não correspondida. Falou para todo mundo ouvir, e ajudou a gente a se entender e se aceitar. De alguma forma, viver como mulher se tornou um pouco mais fácil por causa dela.

Carol Prado, repórter do g1, que entrevistou a cantora no começo da carreira dela, em 2016, quando Marília disse que via a fama ‘como uma cruz a ser carregada’

Mulher também trai, bebe, não aguenta homem folgado. Às vezes, pode ser até os mesmos assuntos, mas com uma abordagem diferente, mais feminina

Marília Mendonça,

explicando o feminejo, em 2016

 

 

 

Com informações do g1

você pode gostar também