Médico de Parintins recebe alta em São Paulo, após segundo tratamento contra Covid-19

Foto: Reprodução.

Gilson Almeida | 24 Horas
[email protected]

Parintins (AM) – “Após 12 dias de internação hospitalar, a notícia mais aguardada: ‘Você está de alta!'”, publicou o médico anestesista, Daniel Tanaka, em suas redes sociais nesta quarta-feira (10). O diretor de enfrentamento a pandemia do novo coronavírus em Parintins foi diagnosticado com reinfecção pela Covid-19, sendo internado no Hospital do Coração, em São Paulo, desde o dia 29 de maio, onde teve alta médica, vencendo pela segunda vez a doença que já tirou milhares de vidas. Tanaka atua no Hospital Jofre Cohen, referência no tratamento da doença em Parintins.

Ainda pelas redes sociais, ele relatou que durante a internação teve dias difíceis, com seus exames inicialmente piorando gradativamente. “Concomitantemente, eu sofria com muita febre e dor no peito. Depois veio a falta de ar. E a necessidade de instalação de oxigênio. Nesse momento tive medo. Mais alguns dias tendo febre, e o fôlego curto, o cansaço fácil para tomar banho. Introdução de antibiótico mais forte. E aos poucos, os dias se tornaram mais amenos”, disse o médico.

Dia 6 de junho Daniel Tanaka não precisou mais do aparelho de oxigênio, porém o dia que era para ser comemorado mais uma vitória na batalha contra a doença, também foi marcada pela perda de seu colega de trabalho, o médico ortopedista do Hospital Padre Colombo, em Parintins, Renato Menezes, causada pela Covid-19. O ortopedista faleceu no Hospital 9 de Julho, em São Paulo, para onde foi transferido no dia 5 do mesmo mês para ser tratado.

“No dia em que me livrei do oxigênio, uma notícia devastadora. A perda de um grande amigo, colega, um pai para mim. Foi um dia de tristeza profunda, de muitas lágrimas, e também de muita reflexão”, desabafou o anestesista.

Daniel Tanaka agradeceu as pessoas que torceram pela sua recuperação, a equipe médica que cuidou dele, especialmente aos profissionais de saúde que se mantém na linha de frente.

“Eu, como Médico, nunca serei o mesmo de antes. As feridas vão cicatrizar, e terei a certeza de que a minha missão será sempre a de aliviar o sofrimento humano. Após minha plena recuperação retomarei, com toda força, meu lugar na linha de frente do combate à essa pandemia”, concluiu.

você pode gostar também