Médicos de Parintins salvam vidas de pacientes com Covid-19 com protocolos do Hospital das Clínicas de São Paulo 

Foto: Pitter Freitas

Foto: Pitter Freitas.

Por Gerlean Brasil

[email protected]

Parintins (AM) – O Hospital Jofre Cohen, com gestão plena da Prefeitura de Parintins, é referência no tratamento de pacientes com coronavírus no interior do Amazonas e o índice de internações chegou a 204 pessoas, com 111 altas, até quarta-feira (20). Os médicos combatem a pandemia da Covid-19 com protocolos de atendimentos e medicações do Hospital das Clínicas (HC), da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), Sírio-Libanês e Israelita Albert Einstein. Os resultados são o alto número de recuperação de pacientes e a baixa taxa de mortalidade.

A diretora do Hospital Jofre Cohen, Joseane Mascarenhas, informa que a unidade de saúde de média complexidade dispõe de mais de 350 profissionais divididos em turnos, em uma estrutura composta por três leitos de Unidade de Cuidados Intermediários (UCI), duas salas vermelha adultas e duas salas vermelha pediátrica. Nesses quatro leitos específicos, os pacientes são estabilizados pela equipe quando chegam com quadro grave de saúde, antes do encaminhamento para UCI ou clínica médica.

Ainda na parte de recursos humanos, a Prefeitura de Parintins reforçou a equipe hospitalar, com o envio de aproximadamente 100 profissionais da saúde. A diretora explica que o Hospital Jofre Cohen possui 01 cardiologista, 02 anestesistas, 01 urologista, 01 endocrinologista e 20 clínicos gerais. Esses 25 profissionais estão distribuídos entre time da emergência, resposta rápida e clínica médica, para cuidar dos casos de pacientes acometidos por Covid-19, pelo sistema público de saúde de Parintins.

O Hospital Jofre Cohen contabilizou apenas 26 óbitos de pacientes, entre 204 internações, das quais 19 pacientes foram transferidos para tratamento especializado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em Manaus, e 06 encaminhados ao Hospital Padre Colombo. Somente 42 pessoas estavam internadas. Esse número é correspondente ao período de 19 de março, data da primeira internação por Covid-19, em Parintins, o caso do empresário Geraldo Sávio da Silva, até o dia 20 de maio.

Guia de conduta

Os médicos elaboraram guia de conduta, com quadro clínico, idade do paciente, presença de fatores de risco, com maior potencial de agravamento. “Relacionamos tudo isso à tomografia de tórax. Existem alterações que são sugestivas de Covid-19 e podem ser mensuradas, de acordo com o grau de acometimento pulmonar. Diante dessa correlação clínico-radiológica, nós temos quais são os pacientes elegíveis à internação ou liberação, com as medicações específicas”, explica o diretor clínico, o anestesista Daniel Tanaka.

A partir da avaliação clínica dos pacientes, o tratamento tenta atacar a doença de diferentes formas, com base em estudos na interação entre azitromicina e hidroxicloroquina. Posteriormente, há uso de invermectina e corticoide (prednisona e solumedrol). “A dose preconizada nós nos espelhamos no estudo da professora Elnara Negri, médica do HC e do Sírio-Libanês”, revela Daniel Tanaka, que é formado pela Universidade de São Paulo (USP) e por isso confia nos protocolos do Hospital das Clínicas.

Esses protocolos são os mesmos dos hospitais particulares Sírio-Libanês e Israelita Albert Einstein. “Além disso, utilizamos anticoagulantes, porque a gente sabe que o coronavírus atua formando micro-tromboses no pulmão. A anticoagulação leva à diminuição desses coágulos e melhora a oxigenação do paciente. Nós associamos antibióticos para diminuir a chance de ter uma infecção bacteriana secundária, relacionada ao quadro, e outras medicações”, enfatiza o diretor clínico do hospital.

 

Conforme Daniel Tanaka, o grande trunfo do Hospital Jofre Cohen é a interação da equipe médica com a fisioterapia, que realiza, por meio da cápsula de oxigenação, e aparelhos de biparp de ventilação não invasiva, tratamentos intermitentes. “Isso melhora a oxigenação do paciente e diminui a chance dele evoluir para a necessidade de intubação. Então, a gente consegue, nesse sentido, ter bastante sucesso em não deixar vir a deteriorar tanto, a ponto de ser intubado”, ressalta o anestesista.

você pode gostar também