-Publi-A-

NEPA/UEA/CNPq passa a ter livre acesso à América Hispânica

Fig01: Segundo projecto internacional do NEPA/UEA/CNPq conquista a América Hispânica.

Na última reunião da União Astronómica Internacional (UAI), o Dr. Nélio Sasaki, líder do NEPA/UEA/CNPq e integrante do PLOAD sublinhou o importante papel do Amazonas e do Brasil para a Astronomia mundial.

O maior Estado brasileiro possui uma diversidade muito grande de etnias indígenas. Coube ao NEPA/UEA/CNPq promover o diálogo entre esses povos, claro, via Astronomia. E com essa finalidade, o Dr. Nélio Sasaki defendeu o projecto intitulado “Astronomia para todos”.

O maior país da América do Sul tem que dar o primeiro passo no sentido de estabelecer o diálogo e a troca de saberes entre a América Lusitana e a Hispânica. O título do projecto foi pensado na mensagem que o NEPA/UEA/CNPq quer transmitir ao mundo, ou seja, que a Astronomia está accessível a todos os povos, de todas as localidades, indígenas e não indígenas.”- sublinhou Dr. Sasaki.

 A proposta foi acolhida pela UAI e recebeu o apoio dos países hispânicos, em especial de: Argentina, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

Este é o segundo projecto internacional, consecutivo do NEPA/UEA/CNPq, coordenado pelo Dr. Nélio Sasaki. Todos os países mencionados aqui identificaram na proposta do NEPA/UEA/CNPq acções que respeitam o saber indígena e resgatam a identidade do povo indígena, em particular, a Astronomia Indígena.

Fig02: Equipa NEPA/UEA/CNPq.
Fig02: Equipa NEPA/UEA/CNPq.

No Brasil, o NEPA/UEA/CNPq tem sede na ilha de Parintins, no interior do Amazonas. Além das acções realizadas em Parintins, há ainda, actividades em Manaus (capital amazonense) e, agora, em São Gabriel da Cachoeira/AM.

Fora do Brasil, o NEPA/UEA/CNPq passa a ter suporte em cada um dos países citados anteriormente. Abrindo, inclusive, oportunidade para que estudantes brasileiros possam fazer pós-graduação nos países da América Hispânica e que possamos receber estudantes e/ou pesquisadores daqueles países. Porém, nos termos que foram colocados, o NEPA/UEA/CNPq possivelmente trocará de “nome”, de facto, de função. Ou seja, passará a ser um Centro Internacional de Astronomia Avançada. Vale salientar que Chile, Argentina, e Colômbia, por exemplo, possuem estrutura voltada para a Astronomia Indígena.

Porém, no Brasil, o NEPA/UEA/CNPq é quem tem uma estrutura mais próxima do que fora solicitado. “Fico feliz que nós do Amazonas (do NEPA/UEA/CNPq) tenhamos algo a apresentar. Mas a realidade é: temos que estruturar muitos pontos. Precisamos de espaço físico; do apoio de todos que respeitam e defendem nossos indígenas; e temos que qualificar nossos pesquisadores para que possamos ser competitivos. Uma cousa é certa, com este acordo bilateral quem está a comemorar certamente é a Astronomia Indígena. É muito gratificante falar do conhecimento de nossos povos e ter o reconhecimento e respeito de nossos países vizinhos. Nossos indígenas precisavam de uma oportunidade. Agora, tenho plena convicção que cada povo indígena brasileiro irá socializar com os demais indígenas da América Hispânica os conhecimentos de Astronomia.”-pontuou Dr. Sasaki, que adiantou, também, que para 2017 o NEPA/UEA/CNPq contará com um integrante de cada país citado nesta matéria.

Dr. Nélio Sasaki – Doutor em Astrofísica, Líder do NEPA/UEA/CNPq, Membro da SAB, Membro da ABP, Membro da SBPC, Membro da SBF, membro da UAI, membro da PLOAD/Brasil e ST/Brasil, Revisor da Revista Areté, Revisor da Revista Eletrônica IODA, Revisor ad hoc do PCE/FAPEAM, Coordenador do Planetário Digital de Parintins, Coordenador do Planetário Digital de Manaus, Professor Adjunto da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

 

você pode gostar também