-Publi-A-

Nível do Rio Negro sobe e Manaus já registra a terceira maior cheia da história

Centro da capital tem vias interditadas por causa da invasão da água. Pelo menos 52 dos 62 municípios do Amazonas enfrentam prejuízos.

O nível do Rio Negro alcançou 29,72 metros, nesta segunda-feira (17), em Manaus. Já é a terceira maior cheia da história, desde o início dos registros em 1902. A cidade decretou situação de emergência.

A água já alcança a Praça do Relógio, um dos pontos turísticos do Centro da cidade. A enchente também afeta a Alfândega de Manaus, um edifício construído na primeira década do século XX e que hoje faz parte do Conjunto Arquitetônico do Porto de Manaus, tombado como patrimônio histórico.

Lojistas na região construíram uma espécie de barricada na tentativa que a água não entre nos estabelecimentos.

A subida da água se aproxima da cheia histórica registrada no ano de 2012, quando o rio chegou a 29,97 metros. A previsão do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) é de que neste ano o nível chegue até a 30,35 metros, ultrapassando o recorde.

Dos 62 municípios do estado, 52 estão alagados. De acordo com dados da Defesa Civil, 408.827 pessoas estão afetadas.

Maiores cheias do Rio Negro:

 

  1. 2012 – 29,97m
  2. 2009 – 29,77m
  3. 2021 – 29,72 m
  4. 1953 – 29,69 m
  5. 2015 – 29,66m
  6. 1976 – 29,61m
  7. 2014 – 29,50m
  8. 1989 – 29,42m
  9. 2019 – 29,42m
  10. 1922 – 29,35m
  11. 2013 – 29,33m

Cheia no interior

 

Em Parintins, o Rio Amazonas, que banha a cidade, ultrapassou o maior nível da história. A Prefeitura diz que enfrenta dificuldade para comprar madeira, insumo para a construção de pontes e marombas, alternativas para acessar as moradias atingidas pela enchente.

 

Nesta segunda-feira (17), o nível do rio alcançou 9,42 metros e ruas principais da cidade estão completamente alagadas.

Parintins tem ruas alagadas pelo Rio Amazonas — Foto: Jean Beltrão/Rede Amazônica
Parintins tem ruas alagadas pelo Rio Amazonas — Foto: Jean Beltrão/Rede Amazônica

De acordo com a defesa civil do estado, 47 mil pessoas foram afetadas em todo município. Na cidade, 9 bairros registram pontos de alagamento, o que dificulta o trânsito e obriga muitos moradores a abandonarem as casas.

Com informações do g1

você pode gostar também