No dia Internacional da Mulher diretora da Rádio Alvorada recebe homenagens ao se despedir da emissora

A história da comunicação no Amazonas se confunde com a história de Raimunda Ribeiro. Uma mulher que deixou sua casa, seus familiares, abriu mão de construir uma família para gerir a ideia de dom Arcangelo Cércua.

Raimunda Ribeiro da Silva, funcionária da antiga Loja Pernambucanas, professora deixou tudo isso ficou pra trás e talvez não imaginasse, mas a partir do sim a Dom Arcangelo Cércua e com o objetivo de evangelizar e ligar a cidade ás comunidades rurais começou a escrever a história da comunicação no baixo e médio Amazonas.

A Rádio Alvorada não apenas evangelizou, como participou da história. Não se omitiu quando a população pediu ajuda, não deixou de repercutir a critica em suas crônicas, ou editoriais, abraçou a causa quando tentaram derrubar uma das obras imateriais da cidade. Enfrentou, lutou, desafiou quando acreditou que a voz do povo estava sendo ameaçada. Não se calou quando o poder tentou interferir.

Neste fim de semana funcionários e familiares participaram de um jantar de agradecimento a dona Raimunda Ribeiro. Neste dia internacional da Mulher ela conversou com o Jornal da Amazônia afirmando que entende que sua missão foi cumprida, mas acredita que poderia fazer mais.

Carlos Alexandre

você pode gostar também