No interior, municípios têm ruas inundadas e famílias atingidas por cheia

Em todo o estado, segundo a Defesa Civil, 58 dos 62 municípios foram afetados.

Além de Manaus, onde o nível do Rio Negro alcançou os 29,98 metros na maior cheia da história, as inundações também trazem prejuízos a municípios do interior do Amazonas. Em todo o estado, segundo a Defesa Civil, 58 dos 62 municípios foram afetados.

Em Coari, cidade distante 450 quilômetros de Manaus por via fluvial, a cheia do Rio Solimões inundou parte da cidade. Segundo o último boletim divulgado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), o nível do rio está com 17,45 metros, o que significa nível de transbordamento.

Mais de 10 mil famílias foram afetadas pela cheia e 25 mil pessoas foram atingidas, segundo a Defesa Civil de Coari.

No total, 19 pontos de alagamento na cidade estão sendo monitorados. As áreas principais já receberam a construção de passarelas. Em Coari, mais de 4 quilômetros de pontes de madeira foram construídos na cidade e na área rural para permitir que as pessoas se locomovam pela cidade.

Apesar da inundação, a maior cheia em Coari foi em 2015, quando o rio Solimões chegou a 18,01 metros.

Já em Codajás, a 240 quilômetros de Manaus, o nível do rio Solimões está em 17,58 metros. Com isso, a cidade está em situação de emergência. No município, são 1.670 famílias afetadas diretamente. Dez bairros da cidade estão alagados e receberam as pontes de madeira.

Em Tefé, a 575 km da capital do Amazona, o nível do rio está em 14,90 metros. Mais de 2 mil famílias foram afetadas em 12 bairros atingidos. A Defesa Civil de Tefé está doando kits de madeira e de cestas básicas para amenizar os transtornos causados à população.

Em Itacoatiara, após permanecer estagnado por seis dias, o Rio Amazonas voltou a subir no fim de semana. É a maior cheia da história da cidade. O nível da água marca os 15,20 metros, de acordo com os dados divulgados pela Defesa Civil na segunda-feira (31).

Em Presidente Figueiredo, município distante 107 quilômetros de Manaus, carros pequenos já transitam com dificuldades na BR-319, que liga a capital amazonense a Porto Velho.

Com informações  do g1

você pode gostar também